[Superliga] Ricardinho diz que a equipe de Maringá pode fechar as portas

Campeão olímpico em 2004, o levantador Ricardinho também é presidente do Maringá Vôlei (Foto: Lucilia Bortone/Sacandoovolei)

A pré-temporada curta, campanha irregular na Superliga e a lesões marcaram a temporada 2015/2016 do Copel Telecom Maringá. A equipe está em Juiz de Fora para a disputa da Seletiva para a Superliga Masculina 2016/2017 e decide hoje (30), às 19h30, a última vaga para o campeonato nacional contra o Juiz de Fora Vôlei.

Logo após a vitória de Maringá sobre o UPIS/Brasília, o levantador e presidente do clube paranaense, Ricardinho, disse ser um absurdo a existência de uma seletiva e também afirmou não ser certa a continuidade da equipe caso a vaga não seja conquistada esta noite. “Uma das equipes ficará fora e se a gente não permanecer, o projeto [de Maringá] acaba porque nossos patrocinadores são baseados na Superliga A. Uma das minhas reclamações como presidente é que a gente tem verba para permanecer na Série A e seria um absurdo a gente ter que ficar fora tendo uma equipe, enquanto outras caem e deixam de existir. Vamos ver, senão vou ter que fechar as portas e seguir a minha vida”, declarou.

Ricardinho também não poupou a CBV. “Como presidente, reclamo muito da existência de uma seletiva como essa. É um absurdo tanto para quem vem da Superliga B quanto para quem disputa a Série A. Acho que foi feita da forma errada. Fico triste, por tudo que fiz e venho fazendo pelo voleibol, em ver o que vem acontecendo principalmente com as equipes com recurso menor que sofrem bastante. Acho que a CBV deveria ajudar e estimular a equipe a permanecer [no esporte] e isso não vem acontecendo, é uma pena”, completou.

O jogador afirmou ainda que a partir de quinta-feira (31), o clube apresentará reclamações à Confederação. “As reclamações necessárias vão acontecer por parte de Maringá, não sei o que vai acontecer com Juiz de Fora. [Maringá e Juiz de Fora] São equipes que já tem um projeto de sucesso, independente se é de time grande, pequeno ou médio, são projetos reais e importantes que geram emprego para esse voleibol que dizem ser o melhor do mundo. Acredito que a CBV deveria fazer algo um pouco diferente do que foi feito nessa seletiva”, disse.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s