[Sul-americano] Sada Cruzeiro conquista o pentacampeonato; Simon é MVP

A noite de sábado (3) em Montes Claros foi marcada pela bela apresentação do Sada Cruzeiro na final do Sul-americano Masculino de Clubes 2018. Diante de pouco mais de quatro mil espectadores, a Raposa levantou o seu quinto troféu de campeão continental (2012, 2014, 2016, 2017, 2018), igualando o Banespa e Paulistano em número de conquistas.

Na decisão, os cruzeirenses bateram o Lomas Voley por 3×0, parciais de 25×19, 25×18 e 25×20, e se garantiram no Mundial de Clubes. “A Polônia nos espera. Acredito que será muito legal jogar mais um Mundial no final do ano e esse era um dos nossos grandes objetivos. Mas antes disso precisamos pesar em fechar bem a temporada e concentrar todo o nosso trabalho na Superliga. Vamos com tudo! É hora de festejar bastante mais este título do Sul-Americano e desfrutar deste momento antes de voltar a trabalhar pelo próximo título”, comentou o central Simon.

WhatsApp Image 2018-03-04 at 11.26.49Além do título e da vaga para o Mundial, a equipe brasileira teve quatro jogadores escolhidos para a seleção do campeonato: o central Isac, o levantador Uriarte, o ponteiro Leon e o líbero Serginho. Completaram o time o oposto Lorena (Montes Claros), o ponta Lucas Ocampo (LomasVoley) e o central Jonadabe Carneiro (Lomas Voley). O central cubano do Sada Cruzeiro, Simon, levou o prêmio de melhor do campeonato.

MOC é bronze
Anfitriões da competição, o Montes Claros Vôlei venceu a disputa do terceiro lugar contra o Personal Bolívar (ARG). O Pequi Atômico fez 3×1, parciais de 26×28, 25×23, 25×23, 25×15.

Com informações da CSV, Lomas Voley e Sada Cruzeiro.
Foto destaque: Uarlen Valerio/O Tempo (via Sada Cruzeiro)
Foto interna: Reprodução Instagram Sada Cruzeiro

[Sul-Americano] Sada Cruzeiro confirma favoritismo, derrota o Personal Bolívar e conquista o quarto título das Américas

A equipe do Sada Cruzeiro é a grande campeã do Sul-Americano de Clubes 2017.  Jogando no Ginásio Poliesportivo Tancredo Neves, em Montes Claros (MG), o time mineiro derrotou o time argentino do Personal Bolívar por 3 sets a 0, parciais de (28×26 25×23 e 25×23) e conquistou o tetracampeonato das Américas. Com mais um título, os cruzeirenses carimbaram o passaporte para jogar o Mundial de Clubes que este ano será realizado na Polônia, em dezembro, vale ressaltar que o Cruzeiro é o atual campeão.

O JOGO

A equipe brasileira começou o jogo errando muitos lances[ e dez pontos ao longo do 1º set]. Mais regular e contando com as viradas de bola de Edgar e Piá, o Personal Bolívar foi abrindo vantagem (11×15). Se o passe não estava muito bem, o saque do Cruzeiro estava afiado[foram cinco pontos diretos nesse fundamento, contra um dos hermanos], o que fez com que o Sada reequilibrasse o set. No final da parcial, com bons ataques de Leal, os cruzeirenses erraram menos, conseguiram virar e vencer o set (26×24).

2º set

O Bolívar continuou sendo mais regular, mesmo tendo perdido o primeiro set, e liderava o

boliiiiiiiiiiiiiivar

_ Equipe argentina não conseguiu derrubar  o favoritismo cruzeirense. (Foto: Reprodução/Twitter Bolivar Voley]

placar (1×5), novamente contando com muitos erros do time cruzeirense. No saque flutuante de Isac, o set ficou empatado (13×13). Regular, o ponteiro Rodriguinho pontuava sempre que acionado (17×14), o bloqueio mineiro também cresceu, com destaque para o levantador William que fez dois pontos nesse fundamento (21×14). Quando parecia que o set se encaminharia fácil para o Sada, o central Gauna emendou uma sequência excelentes de saques e recolocou os argentinos no jogo (21×19), mas o time brasileiro freou a reação do adversário, e no ataque de Leal encerrou o set (25×23).

3º set

Diferente dos dois sets anteriores, o Sada Cruzeiro começou melhor e liderando o placar (5×3) e com o Bolívar cometendo mais erros do que antes. Com Simón aparecendo mais no set, no ataque e bloqueio, o time brasileiro abriu quatro pontos (16×12), quando o técnico Javier Weber parou a partida para conversar com seus jogadores. A parada fez bem ao Bolívar, que conseguiu uma sequência de seis pontos, e virou o marcador (16×18).  No momento que era desfavorável, os centrais Simón e Isac chamaram a responsabilidade e ajudaram o time a retomar a liderança do marcador (24×23). O ponteiro Filipe entrou na partida para sacar no match point e conseguiu um ponto direto desse fundamento para dar números finais ao set (25×23) e ao jogo 3 a 0.

Equipes:

SADA CRUZEIRO: William, Leal, Rodriguinho, Evandro,Simon, Isac, e Serginho

Entraram: Cachopa, Alan, Éder Levi, Filipe

Técnico: Marcelo Mendez

PERSONAL BOLÍVAR:  Gonzalez, Edgar, Gauna, Crer, Aleksiev, Piá e A.González

Entraram:  Patti, Kukartsev, Chirivino, Ocampo

Técnico: Javier Weber

 

Seleção do Campeonato:

Confira como ficou a seleção do Campeonato Sul-Americano

Levantador: William(Cruzeiro)

Ponteiros: Leal( Cruzeiro) e Rodriguinho(Cruzeiro)

Centrais: Simón( Cruzeiro) e Crer(Bolívar)

Líbero: A. Gonzalez(Bolívar)

Oposto: Edgar(Bolívar)

MVP: Leal(Cruzeiro)

 

[Foto de Capa: Reprodução Twitter Sada Cruzeiro]

 

[Sul-Americano] Em 5 sets, Bolívar vence o anfitrião Montes Claros e fará a final contra o Sada Cruzeiro

O  anfitrião do Sul -americano de Clubes, a equipe do Montes Claros(MG), lutou e foi buscar um placar contra de 2 sets a 0 diante do Personal Bolívar, mas o time argentino se impôs nos momentos importantes, freou a reação mineira e ganhou por 3 sets a 2, parciais de (28×26, 25×21,23×25, 24×26 e 15×10), em partida realizada no ginásio Tancredo Neves, em Montes Claros(MG).

Com a vitória, os hermanos carimbaram uma vaga na final da competição e terão pela frente outra equipe mineira, o atual campeão do continente Sada Cruzeiro, que mais cedo venceo o UPCN San Juan, da Argentina. A final será amanhã(25), às 17h30, com transmissão do canal Sportv.

O  jogo

A segunda semifinal da competição começou com um ponto de saque do ponteiro Jonatas. Os anfitriões foram liderando o placar com uma boa vantagem (13×10), mas o bloqueio argentino começou a entrar e a parar o ataque brasileiro (15×16). Com o saque de MOC chegando fácil para a recepção, o oposto Edgar e o ponteiro Aleksiev se destacavam pelo lado argentino (20×21). O final do set foi equilibrado, mas o ataque do Personal estava mais apurado que o do adversário, 16 pontos contra 12 dos brasileiros, e foi o fundamento responsável pela vitória dos hermanos (26×28), após ponto de Edgar.

2º set

O Bolívar seguiu embalado e liderando o placar (10×13). A equipe de MOC estava mais acuada em quadra, com o oposto Luan Weber cobrando atitude (11×14). Os centrais do Bolívar, Crer e Gauna, seguiam virando todas as bolas que recebiam e dificultando a defesa do time brasileiro (15×20). A equipe brasileira seguia errando muitos saques e dando muitos pontos para o Personal Bolívar que fechou mais um set, desta vez por (21×25), no ataque do oposto australiano Edgar.

3º set

Precisando vencer, MOC voltou à quadra com uma postura mais agressiva, assim como a torcida, que começou a vibrar e a fazer mais barulho nas arquibancadas (6×4).  O time mineiro melhorou o aproveitamento nos contra-ataques e seguiram à frente do marcador (14×13). Com uma sequência de dois bloqueios de Alê e um ponto de saque de Luan, os anfitriões ampliaram a vantagem (19×16) e parecia que se encaminhavam para fechar com certa folga (24×21), mas os argentinos reagiram (24×23). Porém, no ataque de Luan, os mineiros levaram o 3º set (25×23).

4º set

Logo no início da parcial, o ponteiro Jonatas saiu contundido, sentiu o joelho direito, e com isso Bob voltou à quadra (1×2). O bloqueio do Bolívar voltou a fazer diferença (4×7), provocando um tempo técnico de Marcelinho Ramos. Na sequência, MOC fez a inversão 5 -1, entrando Wanderson e Índio, nos lugares de Murilo e Luan Weber, respectivamente.  A mudança deu resultado e os brasileiros foram buscar o placar (17×17), com dois bloqueios do levantador Índio.  Após bloqueio de Salsa (21×20), Pablo Crer reclamou muito e recebeu cartão amarelo, MOC aproveitou o momento de desconcentração do adversário para abrir vantagem (23×20), mas o Personal voltou a buscar placar e teve o primeiro ponto da partida (23×24) no bloqueio simples de Piá.  Porém, os mineiros voltaram a se impor, e depois da invasão da linha dos três do jogador argentino, Montes Claros fecharam o set (26×24) e levaram a decisão da semifinal para o tie- break.

5º set

Ocampo começou se destacando no set decisivo (2×4), mas na boa sequência de saques de Bob e ótimo ataque de Wanderson na paralela, recolocaram os mineiros na frente (5×4). Porém, aproveitando a virada de bola e com mais ritmo, na virada de lado o Personal Bolívar dominava o marcador (6×8).  Montes Claros pareceu sentir o momento e voltou a acumular erros, com isso o adversário abriu quatro pontos (12×8).  No ponto de saque de Aleksiev, o Personal Bolívar fechou o tie break (15×10) e carimbou vaga na final do Sul-americano de Clubes.

EQUIPES:

MONTES CLAROS: Murilo, Weber, Jonatas, Bob, Robinho, Salsa e  Gian

Entraram: Alê, Wanderson, Índio

Técnico: Marcelinho Ramos

PERSONAL BOLÍVAR:  Gonzalez, Edgar, Gauna, Crer, Aleksiev, Piá e A. González

Entraram:  Patti, Kukartsev, Chirivino, Ocampo

Técnico: Javier Weber

 

 

[Foto: Alexander Sezko]