[Superliga] Sesc RJ confirma favoritismo e vence JF Vôlei fora de casa

Superliga 2017/2018 - JF Vôlei 0 x 3 Sesc-RJ - 19.11.2017

Destaque do JF Vôlei na temporada passada, Renan reencontrou a torcida local (Foto: Lucilia Bortone/Sacandoovolei)

O JF Vôlei recebeu o SESC RJ, neste domingo (19), em confronto válido pela 7ª rodada do turno da Superliga 2017/2018. Sem o seu principal jogador, Leozinho, que sentiu dores antes da partida, os donos da casa viram o time carioca – que é comandado pelo juiz-forano Giovane Gávio -, mesmo desfalcados do central Tiago Barth, e do ponteiro João Rafael, confirmarem o favoritismo e vencerem por 3 a 0 (25×17, 25×18 e 25×22).

O jogo também marcou o reencontro do oposto Renan com a torcida, já que o atleta foi o destaque do JF na última temporada. Japa, ponteiro do time carioca, que também já defendeu as cores de Juiz de Fora, foi eleito, por votação popular, o melhor jogador e levou o troféu Viva Vôlei.

Com o resultado, o SESC chegou aos 19 pontos, em terceiro lugar, com a mesma pontuação que o vice-líder. Os cariocas voltam à quadra na quinta-feira (23), às 19h, contra o Minas, em Belo Horizonte. Já o JF Vôlei segue sem pontuar em penúltimo lugar. No domingo (26), às 21h, os mineiros vão enfrentar o Maringá, último colocado.

O jogo

O início foi equilibrado (3×3), com os atacantes do time visitante com alto rendimento, o Sesc abriu três pontos (6×9). O JF reagiu e chegou a empatar a parcial(12×12), mas viram o adversário voltar a se impor e comandar o placar com certa margem(14×18). O levantador Thiaguinho seguiu distribuindo muito bem as jogadas, e o eficiente ataque carioca, com destaque para Japa e Renan, seguiu fazendo estrago no lado adversário(15×20). Após ataque indefensável de Maurício Borges, o time carioca fechou o set (17×25).

DSC08752.jpgAssim como no primeiro set, as equipes começaram trocando pontos (6×6) e os comandados de Giovane Gávio abriram pontos, mas viram Juiz de Fora, com pontos consecutivos do central Rômulo, diminuírem a desvantagem (10×11). O passe carioca se manteve regular, o que facilitava a armação das jogadas pelos levantadores, tanto com Thiaguinho quanto com Everaldo, que entrou no decorrer do set (12×19). Juiz de Fora modificou o oposto e o levantador, mas seguiu com dificuldades no ataque (13×21). O time da casa diminuiu os erros no final do set, mas não dava tempo para reagir no set (18×25).

O JF Vôlei voltou à quadra melhor e abriu (3×0).  Vendo o adversário jogar melhor, Giovane parou a partida (6×2). O set seguiu com os donos da casa comandando o marcador (15×10), enquanto os visitantes erravam mais do que o normal (17×11).  O Sesc sofreu algumas mudanças na equipe, mas o jogo parecia não se encaixar no set (20×13).

Quando parecia que Juiz de Fora iria levar o set, o time do Rio de Janeiro cresceu, Maurício Borges, Japa e Renan chamaram a responsabilidade de virar às bolas e ainda viram a ansiedade da jovem equipe mineira para fechar o set se transformam em erros consecutivos. O resultado foi sete pontos seguidos para o RJ que empataram a parcial (20×20). A sequência desestabilizou o adversário, que não soube voltar a jogar bem no set. Após mais uma falha do JF, os visitantes definiram por (22×25) e o jogo por 3 a 0.

Fotos: Lucilia Bortone/Sacandoovolei

Anúncios

[Mundial Sub-23] Argentina faz história e fica com o título; Brasil fora do pódio

Após uma semana de disputas, o Mundial Masculino Sub-23 terminou ontem (25), no Egito, e viu a Argentina conquistar a competição pela primeira vez. Na final contra a Rússia, os hermanos venceram por 4×2 (15×10, 15×11, 16×14, 14×16, 13×15, 15×9). Esta foi a primeira vez que uma seleção da Argentina vence um Mundial. “Não acredito que vencemos. É a primeira vez que uma seleção argentina conquista um título mundial, uma vitória histórica que nunca alcançamos em outros anos ou categorias. Parabenizo meu time porque fomos capazes de superar um forte oponente como é a Rússia”, disse o treinador argentino Camillo Soto.

DREAMT~1.JPGO oposto argentino Johansen foi eleito MVP e o levantador Matias Sanchez foi escolhido para a seleção do campeonato. Completaram o Deam Team: os ponteiros Denis Bogdan (Rússia) e Miguel Gutierrez Suarez (Cuba); os centrais Ivan Iakovlev (Rússia) e Matheus (Brasil); o líbero Rogerinho (Brasil); e o oposto Hisham Ewais (Egito).

Na disputa do bronze, o Brasil, comandado por Giovane Gávio, foi superado por Cuba e ficou fora do pódio. Os cubanos venceram a partida por 4×1, parciais de 18×16, 15×13, 15×13, 20×22 e 15×11.

“Não jogamos bem, Cuba foi superior. Eles jogaram muito bem, especialmente nas bolas altas. Tentamos forçar no saque, mas não tivemos sucesso porque Cuba foi excelente. Foi uma partida difícil”, avaliou o treinador brasileiro.

Durante a competição foram testadas as novas regras da modalidade, que não têm agradado muito, como a mudança no número de sets e pontos disputados.

Com informações da FIVb
Fotos: FIVb