[Olimpíadas] Começo ruim, final de ouro: Brasil é tri no Maracanãzinho

GalleryPic (1)Na tarde deste domingo (21), último dia dos Jogos Olímpicos de 2016, a seleção brasileira fez história e conquistou sua terceira medalha de ouro no vôlei masculino. O título veio após a vitória suada diante da Itália por 3×0 (25×22, 28×26, 26×24) e consagrou o líbero Serginho como um dos maiores medalhistas do Brasil. Além de fechar seu ciclo na seleção, o jogador foi escolhido o MVP dos Jogos.

Com a apoio da torcida, que lotou o Maracanãzinho, a seleção brasileira reverteu o placar em todas as parciais e, numa noite brilhante do levantador Bruninho, Wallace conseguiu dar um nó na defesa italiana. “Estou feliz pelo Bruno, por tudo o que disseram sobre ele, principalmente em Pequim. A dupla Bruninho e Lucão foi imparável, e o Wallace entrou no hall dos grandes jogadores da nossa história”, disse o técnico Bernardinho, que ainda não definiu o seu futuro à frente da seleção.

Os ponteiros Lipe e Lucarelli mantiveram o ritmo e a performance que tiraram o Brasil do buraco na última rodada da fase de grupos contra a França: destruindo a recepção italiana, sobrecarregando o ponteiro Lanza no passe e mandando a pressão para o jovem levantador Gianelli. Do lado europeu, o saque – arma mais potente da equipe – não rendeu na final e contribuiu para o número de erros da seleção italiana.

euaita_podio_rio2016Embora saia do Rio com a derrota, a prata é uma grande conquista para mais uma forte geração italiana que continuará dando trabalho nas competições internacionais.

Despedidas e virada na decisão do bronze

Mais despedidas olímpicas marcaram a decisão do bronze: os veteranos Priddy (EUA), Tetyukhin (Rússia) e David Lee (EUA) não devem participar do ciclo dos Jogos de Tóquio. Campeão em 2008 diante do Brasil, Priddy foi importante na virada americana na conquista do bronze na manhã de hoje. Os Estados Unidos perdiam da Rússia por 2×0 e após a entrada do veterano levou a decisão para o tie-break. “Dói de uma maneira enorme. Quase vencemos. Jogamos melhor do que jogamos contra o Brasil. Jogamos melhor até o fim, mas os resultados não vieram a nosso favor. Não existe ninguém no time que eu possa criticar, todos deram o melhor de si. Quero agradecê-los. Eles são uma equipe excelente e terão um futuro excelente”, disse Tetyukhin.

GetImage

Com informações da FIVb.
Fotos: FIVb

[Olimpíadas] É 2004? Brasil ressurge e Itália chega à final em partida emocionante

Assim como em Atenas 2004, a final do vôlei masculino na Rio 2016 será entre Brasil e Itália, e a decisão do bronze entre Rússia e Estados Unidos. A diferença é que dessa vez a Itália chega mais forte e regular para a disputa do ouro contra os brasileiros amanhã (21).

Italy celebrateOs italianos venceram sua semifinal contra os Estados Unidos por 3×2 (30×28, 26×28, 9×25, 25×22, 15×13), contando com o apoio dos torcedores brasileiros presentes no Maracanãzinho, que de novo pegou no pé do americano Russell, e a liderança de Zaytsev em quadra, o grande nome italiano nos Jogos do Rio. A Itália busca a medalha inédita após bater na trave em 1996, contra a Holanda, e 2004, contra o Brasil.

Já o Brasil e o líbero Serginho chegam à sua quarta final seguida em Olimpíadas, a sexta decisão do voleibol masculino (1984, 1992, 2004, 2008, 2012 e 2016). A classificação veio com a vitória diante da Rússia no fim da noite de ontem (19) e não poderia ter sido de maneira mais perfeita. A vitória em sets diretos foi a melhor atuação brasileira nos Jogos desde a “decisão” contra a França na última rodada da fase de grupos.

Com o saque e a recepção funcionando, os brasileiros foram mais uma vez empurrados pela torcida e jogaram toda a pressão do resultado para os atuais campeões olímpicos. Sem o passe na mão, o levantador Grankin não conseguiu aproveitar os centrais e sobrecarregou o veterano Tetyukhin e o oposto Mikhaylov. “Estabelecemos nosso jogo no saque e perdemos poucos contra-ataques. A Itália merece crédito pela vitória sobre os Estados Unidos com a vitória na recuperação. O time deles cresceu muito com Juantorena”, disse o central Lucão.

BrazilianSrgioDutracelebratestheirclassificationtothefinalsDo lado brasileiro vale destacar, além da atuação impecável da equipe, o baixo número de erros: foram apenas 10 pontos cedidos aos russos em toda a partida, enquanto os adversários deram 25 pontos de graça. “Depois de vencer em Londres e o Campeonato Europeu, não conseguimos repetir o resultado com uma equipe jovem. Cometemos muitos erros e essa foi a principal razão por termos terminado com a derrota contra a forte equipe brasileira. Não conseguimos segurar o saque deles”, avaliou Vladmir Alekno, treinador da Rússia.

Com informações da FIVb.
Fotos: FIVb

[Olimpíadas] Itália anula recepção brasileira, vence e complica os donos da casa

 

No início parecia que a Itália continuaria sem vencer o Brasil em Jogos Olímpicos, porém a força e superioridade tática italiana prevaleceram no Maracanãzinho, dando a vitória para os europeus por 3×1 (23×25, 25×23, 25×22, 25×15).

Mais uma vez atuando muito abaixo de seu potencial, a seleção brasileira amargou mais uma derrota em casa e depende de resultados da última rodada para continuar sonhando com o pódio na Rio 2016.

Apesar de não ter terminado como maior pontuador do confronto, o ponteiro Lanza continua sendo uma das grandes surpresas do time italiano, que tem como grandes nomes Juantorena e Zaytsev.

A vitória garantiu a liderança do Grupo A aos italianos e a classificação para as quartas de final. Para o Brasil só importa a vitória contra a França amanhã (15). “Precisamos treinar mais por razões técnicas para melhorar. Precisamos parar o nervosismo no nosso jogo. A Itália foi bem contra nós, eles sabiam o que fazer”, disse o técnico Bernardinho,

Confira os resultados da rodada

Jogos Olímpicos 2016

Fase de Grupos – 4ª rodada – Masculino – 13.08.2016

Grupo A

EUA 3 x 1 França (25×22, 25×22, 14×25, 25×22)
Canadá 3 x 0 México (25×20, 25×13, 25×22)
Brasil 1 x 3 Itália (25×23, 23×25, 22×25, 15×25)

Grupo B

Irã 3 x 0 Egito (28×26, 25×22, 25×16)
Argentina 3 x 0 Cuba (25×16, 25×14, 25×16)
Polônia 2 x 3 Rússia (18×25, 25×16, 18×25, 25×22, 13×15)

Com informações da FIVb.
Fotos: FIVb