[Superliga] Sada Cruzeiro conquista o penta e se torna o maior campeão da competição

“A imagem do Cruzeiro resplandece”, a frase do hino nacional brasileiro define o que há sete temporadas faz o Sada Cruzeiro, que quebra recordes e levanta taça atrás de taça. Neste domingo (7), no Mineirinho, em Belo Horizonte (MG), diante de 13.956 torcedores, a maioria torcida celeste, mais um capítulo vitorioso foi escrito, o time derrotou o Funvic Taubaté por 3 sets a 1, parciais de (25×22,25×22, 18×25 e 25×19) em 1h57 de partida, se consagrou pentacampeão da Superliga, o que transformou o time mineiro em maior vencedor da competição, superando Minas e Florianópolis, que têm quatro títulos cada um.

Com uma campanha quase que perfeita, O Sada chegou a decisão com apenas uma derrota em toda a Superliga [22 jogos e 21 vitórias], sendo o único placar desfavorável, justamente para Taubaté, no final do segundo turno da competição, quanto atuou com o grupo quase todo reserva, pois já estava com folga no primeiro lugar da classificação. Vale ressaltar que ao longo dessa Superliga estiveram em quadra 10 dos 12 jogadores campeões olímpicos [sendo apenas dois do Cruzeiro, William e Evandro] uma disputa de alto nível, o que enaltece ainda mais a trajetória cruzeirense.

O JOGO

A tão aguardada final entre Cruzeiro e Taubaté, respectivos primeiro e segundo colocados na fase de classificação, seria decidida a favor da equipe que encontrasse esse equilíbrio entre ataque e defesa e, foi assim que os mineiros começaram melhor. Com bons saques e dificultando a recepção de Taubaté, o Sada abriu vantagem (10×7), o que causou o pedido de tempo técnico de Taubaté. Na volta à quadra, o time do Vale do Paraíba voltou mais ligado, foi tirando a diferença no placar e no bloqueio de Lucarelli, passou a liderar o marcador (13×14). Esse fundamento estava afiado nos dois times, o que equilibrou a parcial (17×17). Mas no momento final, a equipe mineira cresceu, não desperdiçou contra-ataques, teve uma sequência indefensáveis de saques de Leal (22×19), o que fez o Cruzeiro se distanciar e ainda provocou a entrada de Japa no lugar de Lucarelli para tentar melhorar a recepção. Porém, a mudança foi tardia e não causou efeito no placar, que foi vencido pelos anfitriões por 25×22, em 29 minutos.

2º set

Taubaté começou mais agressivo e, contando com erros de ataques do Cruzeiro, abriu uma ótima vantagem (3×7), o técnico Marcelo Mendez pediu tempo. A parada fez bem ao time mineiro que voltou mais ligado, rapidamente tiraram a desvantagem e igualaram o placar (8×8). Com dois saques indefensáveis de Éder, Wallace marcou mais um ponto para o Funvic, que abriu dois pontos (15×17). Os cruzeirenses foram buscar o placar, em jogada de pura habilidade de Filipe que explorou o bloqueio e deixou tudo igual (20×20). Mais uma vez, o saque foi determinante para definir os números finais do set, no ponto direto nesse fundamento de Leal, o time celeste passou a comandar o marcador (21×20). Leo, jovem jogador cruzeirense, entrou para sacar e, com um saque balanceado, permitiu o contra-ataque mineiro, que terminou com um lindo ataque Simón (23×21). E o baixinho William, acostumado a levantar bolas incríveis, definiu o set cm um lindo bloqueio (25×22), 32 minutos.

serginho e filipe

– Jogando juntos há sete temporadas, Serginho e Filipe comemoram mais um título.  O líbero se transforou no maior vencedor da competição, com sete títulos. (Foto: Divulgação/CBV/Inovafoto)

3º set 

Assim como havia acontecido anteriormente, o Taubaté abriu (3×7). Japa, que entrou no lugar de Lóh, no início desse set, marcou dois pontos consecutivos, ampliando a vantagem do time paulista (4×10).  O Cruzeiro demonstrou uma reação e Funvic respondeu parando a parcial (13×15).  Com Lucarelli crescendo na partida tanto na recepção quanto no ataque, o ponteiro fez sete pontos ao longo do set, o time paulista se impôs e não deixava o rival reagir. Com o crescimento de Lucarelli, o levantador Rapha pôde distribuir mais as jogadas no ataque, não sobrecarregando o oposto Wallace (18×23). E, de novo, o saque foi fundamental, desta vez para que o Funvic Tabaté vencesse o set, com uma ótima vantagem, após ace de Éder (25×18), em 26 minutos.

4º set

As equipes começaram o set errando muito saque (4×4). Um bom saque, concluída com a bola de xeque, colocaram o Cruzeiro com dois pontos de vantagem (9×7). Em uma jogada excepcional de William, que deixou Evandro sem bloqueio, os cruzeirenses abriram margem (13×9), levantando o ginásio do Mineirinho.  Se por um lado a recepção não funcionava, Mário Jr foi substituído por Matheus, do outro lado, Serginho colocava a bola nas mãos de seu levantador. O time mineiro impôs um ritmo forte e Taubaté não sobre como reagir (18×11).  O time paulista apresentava nervosismo e ansiedade para concluir o ponto, o que não foi bom para a equipe. Após longa troca de bolas, Leal marcou, dando o match point para o Sada, que finalizou o set (25×19) e a partida, após Isac bloquear.

 

[Superliga] Em jogo quase perfeito, Sada Cruzeiro vence Brasil Kirin e avança para sua sétima final consecutiva

E o time do Sada Cruzeiro (MG) segue fazendo história. Neste sábado (22), a equipe voltou ao ginásio do Riacho, em Contagem (MG) contra o Vôlei Brasil Kirin (SP) para a disputa do jogo três da semifinal. E, com um jogo coletivo beirando a perfeição, o time mineiro derrotou o time campineiro por 3 sets a 0, parciais de (25×12, 25×18 e 26×24) e avançou para sua sétima final consecutiva da competição. Vale ressaltar que o Cruzeiro é o atual tricampeão consecutivo, tem quatro títulos da Superliga Masculina 2016/2017 e poderá buscar o penta diante da sua torcida, já que a final será realizada no dia 07 de maio, no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte (MG).

O jogo

A partida começou com uma ótima sequência de saques do central Simón, que dificultou muito a recepção e, consequentemente, a virada de bola do time paulista (5×1). Após pedido de tempo do Horácio Dileo, Campinas voltou melhor, com bons saques de Vini e volume de jogo, o time diminuiu a desvantagem para dois pontos (6×4). Porém, com um saque impressionante, foram 4 pontos diretos nesse fundamento, o time mineiro abriu o dobro de pontos do adversário (12×6). Além disso, todos os jogadores do elenco cruzeirense em quadra jogando muito bem, Filipe e Serginho defendendo tudo no fundo de quadra, William com suas bolas perfeitas e Isac, Evandro, Leal e Simón seguiam com seus ataques indefensáveis (21×12). Com todo esse ímpeto celeste, o Kirin pouco conseguiu jogar, perdendo o set por (25×12), em 21 minutos.

2º set

O início do segundo set foi igual ao anterior, com um pedido de tempo técnico de Campinas logo no início pata tentar conter o ritmo cruzeirense (5×1). Na sequência, o levantador reserva Jotinha entrou no lugar de Rodriguinho, para tentar promover uma mudança no time visitante. Porém, o ritmo alucinante do Sada não diminuiu (14×7). Com um poder ofensivo arrasador, foram 15 pontos de ataque, contra apenas seis do Brasil Kirin, o time mandante não dava chances para o adversário. Os paulistas estavam irreconhecíveis e, nervosos em quadra, o time cometia erros infantis (18×9). Após 22 minutos, o time do Sada fechou mais uma parcial, desta vez por (25×18).

3º set

Sem nada a perder, os jogadores de Campinas voltaram com uma outra postura para a quadra. No bloqueio e no contra-ataque, o time abriu dois pontos pela primeira vez no jogo (3×5). A recepção campineira melhorou e o levantador Rodriguinho começou a acionar mais o oposto Rivaldo (10×13). Experiente, a equipe celeste foi tirando a desvantagem ponto a ponto e, no bloqueio de Leal, o set ficou empatou (16×16).  Com Leal chamando a responsabilidade do ataque, os mineiros passaram à frente e conseguiram abrir margem (20×17). Com o ginásio jogando junto com o Cruzeiro, o time da casa chegou ao ponto da vaga para a final(24 x21). Porém, a ansiedade de dar números finais ao jogo permitiu o empate do time de Campinas (24×24). Porém, Evandro colocou a bola no chão e parou com a sequência do adversário. E, para terminar a partida, no saque, o oposto celeste deu números finais ao jogo (26×24).  Muito regular, como na maioria das vezes, o ponteiro Filipe foi eleito o melhor jogador em quadra.

Equipes:

Sada Cruzeiro: William, Evandro, Simón, Isac, Filipe, Leal e o líbero Serginho.

Entraram: Cachopa, Alan

Técnico: Marcelo Mendez

 Vôlei Brasil Kirin: Rodriguinho, Rivaldo, Maurício Souza, Vini, Bruno Temponi, Diogo  e o líbero Tiago Brendle

Entraram: Jotinha , Baiano, Matheus

Técnico: Horácio Dileo

[Foto: Reprodução Sada Cruzeiro/Twitter]