[Liga Mundial] Ngapeth comanda a França e adia o sonho do deca mais uma vez

Mais de 23 mil pessoas compareceram na Arena da Baixada, em Curitiba(PR), para torcer para o Brasil na final da Liga Mundial, em um partida que começou 23h de um sábado e se estendeu pela madrugada fria da capital paranaense. Se o começo foi bem animador para os brasileiros, a França, comandada por Earvin Ngapeth, tratou de acabar com o sonho do décimo título da competição dos brasileiros. Vitória de virada dos europeus por 3 sets a 2, parciais de (21×25, 25×15, 25×23, 19×25 e 15×13) e o bicampeonato para os franceses, que haviam conquistado o primeiro título em 2015, também no Brasil, só que em partida disputada no Ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro.

A partida foi marcada por duas atuações brilhantes e disputa individual: o oposto Wallace e o ponteiro Ngapeth , principais atacantes de suas seleções, tiveram um aproveitamento de ataque acima da média. Com 28 pontos,  Ngapeth foi o grande protagonista, com um arsenal de belas jogadas, uma defesa que o jogador fez no tie-break merece ser destacada. Earvin foi eleito o MVP da competição.

Com nove títulos e maior vencedor, o Brasil não consegue o título desde 2010. Além disso, a equipe do técnico Renan Dal Zotto não conseguiu quebrar mais um tabu: conquistar essa competição em solo brasileiro. Desde 1993 [última vez em que o Brasil conquistou a Liga Mundial em casa, foram 3 tentativas e em nenhuma o Brasil saiu vitorioso.

O jogo

As equipes começaram a final da Liga Mundial demonstrando muito ritmo de jogo. De um lado, destaque para o setor defensivo e para os ataques de Ngapeth e Boyer, do outro, o bloqueio brasileiro teve seu melhor início [foram 3 pontos diretos nesse fundamento], além de Lucarelli e Wallace inspirados, levantando vantagem em relação a defesa adversária. O saque balanceado de Maurício Souza dificultou a recepção francesa e ajudou o time da casa a abrir vantagem (17×14).  Com muito ímpeto, o Brasil não deixava a França reagir, a recepção brasileira foi outro fundamento que funcionou muito bem e Bruno retribuía utilizando as bolas com seus centrais. Após 27 minutos, em ataque indefensável, Maurício Souza definiu o set (25×21) para os donos da casa.

Diferente do set anterior, os brasileiros começaram mal e viram uma França com outra postura em quadra, abrindo rapidamente uma ótima vantagem (3X8). O ataque do Brasil caiu de rendimento e o time foi acumulando erros, o que causou a inversão de 5-1, com Renan Buiatti e Rapha entrando nos lugares de Bruninho e Wallace. A equipe francesa passou a sacar cada vez melhor e o bloqueio, que não havia marcado no set anterior, foi

n

Ngapeth fez 28 pontos e foi o protagonista da final. [Foto: FIVB]

responsável por seis pontos na segunda parcial e foi um dos fundamentos determinantes para os franceses construírem uma margem cada vez maior e definirem o set com incríveis dez pontos de vantagem (15×25), em 21 minutos.

A França voltou à quadra com a mesma intensidade que definiu o segundo set (5×10). Já o Brasil demonstrava apatia, vibrando pouco, tomando decisões precipitadas e observando o adversário jogar (12×16). Se o levantamento brasileiro estava impreciso, Toniutti recebia a bola na mão e aciona, sobretudo, o eficiente e genial Ngapeth. Outro ponto de destaque do time europeu era o líbero Grebennikov, que protagonizou defesas que pareciam impossíveis.  A equipe visitante chegou na reta final do set com três pontos de vantagem (15×18), porém, um desafio a favor dos brasileiros recolocou a seleção sul-americana no set (20×20), restabelecendo um equilíbrio e aumentando a tensão na final.  Porém, Le Roux, em bloqueio em cima de Wallace, deu números finais ao set (23×25), virando a partida para os franceses.

Precisando vencer para continuar com esperanças de conquistar o título, os brasileiros ditaram o início da parcial. Com ótima sequência de saques de Lucarelli, o time nove vezes campeão da Liga Mundial chegou a ter o dobro de pontos do adversário (10×5). Éder, que havia entrado no set anterior, colocou o Brasil com três pontos de vantagem na segunda parada técnica obrigatória (16×13). O levantamento nas pontas do Bruno, que não estava com precisão, melhorou e os ponteiros cresceram o aproveitamento de ataque (22×18).  Jogando mais alegre e empurrados pelos torcedores, a seleção da casa fechou e levou a decisão para o set decisivo.

Embalados com a vitória no set anterior, os brasileiros começaram à frente, após dois ataques de Lucarelli e se manteve à frente até a troca de lado (8×6). Na sequência, os franceses entram no set, buscaram a parcial e viraram. Novamente o saque francês fez a diferença e o central Le Roux conseguiu uma ótima sequência, levando seu time ao match point. Após 19 minutos, Clevernout colocou a bola no lado brasileiro e deu o bicampeonato para a França.   Mais cedo o Canadá bateu os Estados Unidos e conquistaram o inédito terceiro lugar.

Equipes:

Brasil: Bruno, Wallace, Lucarelli, Maurício Borges, Maurício Souza, Lucão. Líbero: Thales

Entraram:  Renan Buiatti, Rapha. Éder, Tiago Brendle

Técnico: Renan Dal Zotto

França: Toniutti, Ngapeth, Le Roux, Boyer, Clevernot, Chinenyeze. Líbero:Grebennikov

Entraram:  Brizard, Rossard, Lyneel

Técnico:  Tillie Laurent

 

 

[Fotos: FIVB]

Anúncios

Justiça francesa condena Ngapeth a três meses de liberdade condicional por incidente em estação de trem parisiense

Em julho do ano passado, após a conquista da Liga Mundial, o ponteiro francês Earvin Ngapeth se envolveu em uma briga com um funcionário da companhia ferroviária responsável pelo sistema em Paris. O caso foi julgado nesta semana e o jogador, que defende o DHL Modena no Campeonato Italiano, foi condenado a três meses de reclusão que acabou sendo transformada em liberdade condicional – não atrapalhando, portanto, sua atuação pelo Modena e seleção francesa. Ngapeth terá que pagar também uma multa no valor de 3 mil euros.

O incidente, ocorrido em 21 de julho de 2015, envolveu ainda o irmão de Ngapeth e teria acontecido após o irmão do atleta ter bloqueado uma porta do trem para que atrasasse a saída e aguardar um amigo. Na confusão, Ngapeth teria se sentido ofendido e agredido o condutor do trem.

Velho conhecido da lei

Além do caso em Paris, Ngapeth já havia sido condenado, em dezembro de 2014, por envolvimento em uma briga em uma boate em Montpellier.

Mais recentemente, o francês se envolveu em um acidente automobilístico que feriu três pessoas em Modena. O acidente aconteceu na madrugada do dia 6 de novembro e o atleta não teria prestado socorro. Na época, o Modena suspendeu o atleta e Ngapeth assumiu a culpa pelo ocorrido.

Com informações do Le Figaro, L’Equipe, Le Monde, La Gazzetta dello Sport e World of Volley

[Italiano] Ngapeth se envolve em acidente e é suspenso pelo Modena

Destaque da seleção francesa e um dos jogadores mais importantes do Modena, o ponteiro Earvin Ngapeth foi suspenso pela equipe italiana e não atuou no último fim de semana pela SuperLega. O motivo é o envolvimento do atleta em um acidente automobilístico que feriu três pessoas. De acordo com o Portal da Gazzetta Di Modena, o acidente aconteceu na madrugada da última sexta-feira (6) após a vitória do Modena na Champion’s League. O jogador não parou para prestar socorro.

Em nota divulgada no site do clube, o Modena manifestou seu apoio às vítimas e confirmou a suspensão do atleta. “À luz dos fatos que envolvem Earvin Ngapeth, atleta da Società Sportiva Modena Volley, a própria empresa quer, em primeiro lugar, manifestar o seu apoio às pessoas envolvidas no acidente e suas famílias. O fato de que Earvin Ngapeth assumiu suas responsabilidades é um elemento que nós consideramos essencial para a nossa empresa, porque é consistente com os valores que são a base da equipe e do esporte. Em razão do incidente, o Modena Volley achou por bem suspender temporariamente o jogador”.

Ngapeth assumiu a culpa pelo ocorrido e, em nota oficial, disse estar chocado e arrependido pelo que aconteceu, e decidiu se apresentar às autoridades. “Estou chocado e triste pelo que causei a Riccardo Ferrarini, Enrico Lusetti e Davide Maccagnani. Decidi me apresentar às autoridades de Modena e assumir minha responsabilidade. Espero que as vítimas se recuperem o mais rápido possível. Peço desculpas às pessoas envolvidas no acidente, suas famílias, ao meu clube e meus companheiros de equipe, aos patrocinadores e fãs”.

Esta não é a primeira vez que Ngapeth, companheiro de Bruninho e Lucão no Modena, aparece nos noticiários policiais. Em julho, após vencer a Liga Mundial e ser eleito MVP da competição, o francês se envolveu em uma confusão em uma estação de trem parisiense onde teria agredido um funcionário da companhia ferroviária. Na ocasião, Ngapeth alegou inocência. A primeira audiência do caso em Paris está marcada para fevereiro de 2016.

Com informações da Gazzetta Di Modena e World of Volley

Foto: FIVb