[Europeu] Em final emocionante, Rússia vence Alemanha no tie-break

A final do Europeu reservou grandes emoções para os torcedores de Rússia e Alemanha neste domingo (3), em Cracóvia (Polônia). Após cinco sets e reviravoltas, os russos conquistaram o título continental com o triunfo diante dos alemães por 3×2 (19×25, 25×20, 22×25, 25×17, 13×15). Mais cedo, a Sérvia superou a Bélgica também por 3×2 e ficou com o bronze.

003059_CEV_EUROVOLLEY_M_20170903-232303.JPGA Rússia, que não havia perdido um set na competição até a partida final, sofreu bastante em sua linha de recepção. O equilíbrio no saque deu aos alemães uma pequena vantagem diante dos russos que não conseguiram manter o passe na mão dos levantadores Grankin e Butko durante o confronto. Porém, conseguiram aproveitar os deslizes da Alemanha no set decisivo e conquistar o seu 14º título Europeu.

Mesmo sem o título, o grupo alemão fez história ao chegar ao pódio pela primeira vez e colocou três jogadores na seleção do campeonato. Além disso, o oposto Grozer foi o maior pontuador da final com 27 pontos.

O jogo

A partida começou já exigindo bastante do sistema defensivo das duas seleções. Com a linha de recepção sofrendo com os saques do ponteiro Volkov, o treinador da Alemanha, Andrea Giani, parou a partida em 2×6. Sem o passe na mão, o levantador Kampa acabou forçando demais o jogo em cima do oposto Grozer, facilitando a marcação russa (9×13). A equipe alemã conseguiu equilibrar a parcial, porém cometeu muitos erros no saque e no ataque, dando tranquilidade para os adversários fecharem o 1º set em 19×25.

2º set
Ao contrário do set anterior, a Alemanha se ajustou no passe e ajudar a distribuição de jogo do levantador Kampa, que mostrou boa sintonia com os ponteiros nas jogadas de meio-fundo (4×2). DO lado russo, o levantador Grankin passou a ter dificuldades após boa sequência de saques dos adversários, e os atacantes também não estavam sendo efetivos no ataque (10×6). Comandando o placar e tranquilos na defesa, a Alemanha se manteve equilibrada no ataque (18×11) e jogando a pressão para o outro lado. Elétrico, o oposto Grozer empatou o confronto (25×20).

220949_CEV_EUROVOLLEY_M_20170903-214742.JPG3º set
Após a pausa (quase eterna) de dez minutos entre os sets, o bloqueio russo voltou a aparecer (5×7). Assim como no 1º set, os erros de saque da Alemanha e a eficiência russa no mesmo fundamento, principalmente com o ponteiro Volkov, colocaram a Rússia na frente (6×10). A equipe de Andrea Giani tentou parar os russos nos bloqueios e contra-ataques, porém, mais uma vez, caiu nos próprios erros. Aproveitando as oportunidades cedidas e os ataques do oposto Mikhaylov, os russos voltaram à frente no jogo e fecharam o set em 22×25.

4º set
Buscando levar o jogo para o tie-break, a Alemanha veio com tudo no 4º set. Com bloqueios em momentos importantes e os erros do ataque russo, a seleção alemã conquistou a confiança necessária para arriscar no saque (12×9). Perdidos em quadra, os russos viram os adversários abrir oito pontos (18×10). Restava apenas se reorganizar para o tie-break, e foi o que o treinador Sergey Shylapnikov fez após tirar o levantador Butko e recolocar Grankin em quadra. Mais uma vez, Grozer fechou o set para a Alemanha (25×17) e o título foi decidido no set desempate.

5º set
Um set de tiro curto pede mais atenção das equipes e, assim, o equilíbrio ditou o ritmo do tie-break. Na virada de quadra, a Alemanha vencia por 8×7, porém os russos conseguiram a virada com um ponto de Volkov explorando o bloqueio alemão (8×9). A Alemanha passou pecar nos ataques e a sofrer com a presença do bloqueio russo, que tinha três atacantes na rede (9×12). Com a confiança minada, o saque alemão, que antes havia feito estrago na recepção dos russos, perdeu a potência e deu a tranquilidade necessária para a armação das jogadas dos adversários. Oscilante em outros momentos, o oposto Mikhaylov apareceu no momento certo e fechou o set em 13×15.

Rússia
Grankin, Mikhaylov, Volkov, Volvich, Vlasov, Berezkho. Líberos: Martynyuk e Golubev
Entraram: Kliuka, Butko, Zhigalov, Kurkaev.
Técnico: Sergey Shylapnikov

Alemanha
Kampa, Grozer, Krick, Kaliberda, Fromm, Böhme. Líbero: Zenger
Entraram: Schott, Hirsch, Zimmermann
Técnico: Andrea Giani

Fotos: CEV.lu

Anúncios

[Europeu] Em campanha histórica, Alemanha disputa o ouro contra a Rússia

Andrea Giani conseguiu de novo. O italiano levou mais uma seleção à disputa inédita do título europeu: em 2015, levou a Eslovênia ao vice-campeonato, e, em 2017, foi a vez de conduzir a Alemanha a seu primeiro pódio no torneio. A conquista veio ao bater a favorita Sérvia na semifinal, ontem (2), em Cracóvia, por 3×2 (24×26, 15×25, 25×18, 27×25, 15×13).

202133_CEV_EUROVOLLEY_M_20170902-200539Após abrir 2×0 na partida, a Sérvia perdeu dois match points no quarto set, viu a Alemanha ressurgir nos erros adversários para levar o jogo para o tie-break. Bem disputado do início ao fim, o quinto set terminou com vitória alemã na vantagem mínima. “Foi uma partida incrível, especialmente depois de perdermos dois sets no início. É importante que nossos jogadores acreditem que poderiam vencer, e é igualmente importante lutar até o fim. Vencemos vários jogos antes deste torneio, porque trabalhamos muito e melhoramos nosso sistema de jogo. Quando voltamos à quadra depois da pausa [do 2º para o 3º set], fizemos um bom trabalho com nossos atacantes e bloqueadores. Nosso jogo defensivo foi muito importante nessa partida também”, avaliou Andrea Giani, treinador da seleção alemã.

Do lado sérvio, algumas críticas ao sistema de desafio e à parada de dez minutos entre o 2º e 3º sets – algo comum em competições no Japão, por exemplo, e “regra” do torneio que vai de encontro às tentativas estranhas da Federação Internacional para diminuir o tempo de jogo e atrair visibilidade na TV, como o teste realizado no Mundial Sub-23 –, porém sem diminuir o mérito adversário. “Após essa longa parada entre os sets, a Alemanha melhorou bastante seu jogo, enquanto nós cometemos alguns erros. Ficamos surpresos que começamos a perder o controle, mas agora temos que nos preparar para a próxima partida e lutar com todas as forças pela medalha de bronze”, disse o oposto Atanasijevic.

Rússia atropela Bélgica
Na outra semifinal, os russos venceram a Bélgica em tranquilos 3×0, parciais de 25×14, 25×17 e 25×17. A Rússia segue sem perder sets nessa Fase Final do Europeu e briga pelo 14º título na competição hoje (3) contra a Alemanha.

A final entre Alemanha e Rússia começa às 15h30 (horário de Brasília) e terá transmissão da ESPN Extra.

Com informações da CEV.
Fotos: CEV.lu

 

[Europeu] Rússia, Sérvia, Alemanha e Bélgica na briga pelo ouro

A edição 2017 do Europeu Masculino de Seleções tem sido cheia de surpresas com as eliminações da anfitriã Polônia, da atual campeã França e da atual vice-campeã olímpica Itália na fase mata-mata. Hoje (2), as quatro seleções restantes brigam pela vaga na final do torneio. Às 12h30 (horário de Brasília), Sérvia e Alemanha fazem a primeira semifinal, na sequência, Rússia e Bélgica decidem a segunda vaga.

Após levar a Eslovênia ao vice-campeonato em 2015, o treinador Andrea Giani chega mais uma vez às semifinais, agora com a seleção alemã e tentará mais uma campanha histórica: a Alemanha nunca conseguiu terminar o Europeu com um pódio, sendo seu melhor resultado um quarto lugar em 1967 e 1971. Enquanto isso, seus adversários chegam ao Top 4 pela décima vez em 12 edições. “Todos na Sérvia já falam em uma medalha de ouro, mas temos que nos concentrar apenas na Alemanha. Temos que tentar e superar isso, e então podemos pensar em algo além”, disse o capitão da Sérvia Stankovic.

A Rússia é a única seleção entre as semifinalistas a chegar a esta etapa sem perder um set, o que a coloca como grande favorita. “Sabemos que a Bélgica é um bom time e não seria justo entrar em detalhes, já que só acompanhamos a última partida contra a Itália”, comentou o treinador russo Sergey Shylapnikov.

Os canais ESPN transmitem as semifinais do Europeu 2017.

Com informações da CEV.
Foto: CEV.lu

[Mundial Sub-23] Argentina faz história e fica com o título; Brasil fora do pódio

Após uma semana de disputas, o Mundial Masculino Sub-23 terminou ontem (25), no Egito, e viu a Argentina conquistar a competição pela primeira vez. Na final contra a Rússia, os hermanos venceram por 4×2 (15×10, 15×11, 16×14, 14×16, 13×15, 15×9). Esta foi a primeira vez que uma seleção da Argentina vence um Mundial. “Não acredito que vencemos. É a primeira vez que uma seleção argentina conquista um título mundial, uma vitória histórica que nunca alcançamos em outros anos ou categorias. Parabenizo meu time porque fomos capazes de superar um forte oponente como é a Rússia”, disse o treinador argentino Camillo Soto.

DREAMT~1.JPGO oposto argentino Johansen foi eleito MVP e o levantador Matias Sanchez foi escolhido para a seleção do campeonato. Completaram o Deam Team: os ponteiros Denis Bogdan (Rússia) e Miguel Gutierrez Suarez (Cuba); os centrais Ivan Iakovlev (Rússia) e Matheus (Brasil); o líbero Rogerinho (Brasil); e o oposto Hisham Ewais (Egito).

Na disputa do bronze, o Brasil, comandado por Giovane Gávio, foi superado por Cuba e ficou fora do pódio. Os cubanos venceram a partida por 4×1, parciais de 18×16, 15×13, 15×13, 20×22 e 15×11.

“Não jogamos bem, Cuba foi superior. Eles jogaram muito bem, especialmente nas bolas altas. Tentamos forçar no saque, mas não tivemos sucesso porque Cuba foi excelente. Foi uma partida difícil”, avaliou o treinador brasileiro.

Durante a competição foram testadas as novas regras da modalidade, que não têm agradado muito, como a mudança no número de sets e pontos disputados.

Com informações da FIVb
Fotos: FIVb

[Liga Mundial] Brasil passa pela Rússia e pega Estados Unidos na semi

O Brasil precisava de apenas um set para confirmar a vaga da semifinal e conseguiu. A partida foi longa, mas o Brasil confirmou também o 1º lugar no Grupo J1 da Fase Final da Liga Mundial após a vitória contra Rússia, ontem (7), na Arena da Baixada. A partida, de altos e baixos das duas seleções, só foi decidida no tie-break com vitória brasileira, parciais de 25×18, 18×25, 25×19, 22×25 e 16×14.

Destaque para os 17 pontos de bloqueio da equipe russa e os 25 pontos do ponteiro Lucarelli, que chamou a responsabilidade no ataque. “Tivemos nossos apagões hoje [ontem], assim como aconteceu contra o Canadá. Sabíamos que podíamos nos recuperar durante a partida, diminuir os erros e jogar com a bola mais segura até o momento certo para reagir”, disse o levantador Bruninho.

Agora, o Brasil pega os Estados Unidos na semifinal de hoje (7), às 15h. A outra vaga na final será decidida na partida entre Canadá e França, às 17h40.

França joga para o gasto

Enquanto o Canadá chega às semifinais pela primeira vez, os franceses, campeões em 2015, estão pelo terceiro ano consecutivo disputando medalha na Liga Mundial. A equipe francesa precisava de dois sets para eliminar a Sérvia e carimbar a vaga na semifinal, e assim o fez. Após abrir 2×0, os franceses desaceleraram e, sem necessidade, deixaram os adversários levar a partida para o tie-break. No fim, vitória francesa por 3×2, parciais de 25×21, 25×20, 17×25, 18×25 e 15×11.

Confira os resultados e a tabela da fase de classificação.

Fase Final Liga Mundial 2017 – Curitiba, Brasil

04.07 – Brasil 3 x 1 Canadá (25×21, 17×25, 25×19, 25×19)
04.07 – França 3 x 2 Estados Unidos (27×25, 20×25, 26×24, 17×25, 15×12)

05.07 – Rússia 0 x 3 Canadá (23×25, 27×29, 17×25)
05.07 – Sérvia 1 x 3 Estados Unidos (22×25, 23×25, 25×19, 22×25)

06.07 – Brasil 3 x 2 Rússia (25×18, 18×25, 25×19, 22×25, 16×14)
06.07 – França 3 x 2 Sérvia (25×21, 25×20, 17×25, 18×25, 15×11)

07.07 – Semifinal I – 15h05 – BRASIL x Estados Unidos [Sportv e Rede Globo]
07.07 – Semifinal II – 17h40 – França x Canadá [Sportv]

08.07 – 3º lugar e Final

Com informações da FIVb.
Foto: FIVb

[Liga Mundial] Canadá vence e complica a vida da Rússia

Pressionados após a derrota para o Brasil, a seleção canadense precisava superar os russos nesta quarta-feira (5) para continuar sonhando com as semifinais da Liga Mundial. A equipe de Stephane Antiga correspondeu e vencer a Rússia por 3×0, na Arena da Baixada. “Nosso objetivo nessa Fase Final era chegar às semifinais e conseguimos, claro que estamos felizes com isso. Agora, vamos lutar por uma medalha da mesma forma que todos fariam. Foi muito bom ter a torcida brasileira do nosso lado hoje e os agradeço por isso”, disse o capitão canadense Perrin após a partida.

Apesar do resultado, a partida não foi tranquila para os canadenses. Os russos começaram melhor na partida, porém o Canadá não demorou para pegar o ritmo e assumir o comando do placar no 1º set. No fim, a equipe canadense conseguiu manter a concentração após polêmica decisão em pedido de desafio adversário para fechar a 1º parcial em 25×23.

No 2º set, o equilíbrio se deu até a primeira parada técnica obrigatória quando os canadenses abriram quatro pontos de vantagem. Entretanto, na reta final do set, os russos conseguiram voltar para o jogo após longos rallys. Os europeus tiveram um set point a seu favor, mas não conseguiram confirmar seu ponto e viram os canadenses virar a vantagem e vencer o 2º set em 29×27, depois de mais uma polêmica no desafio.
A terceira parcial foi a mais tranquila para os canadenses que dominaram do início ao fim. O oposto Vernon continuou mostrando sua potência nos ataques e terminou o confronto como maior pontuador, com 14 pontos. Administrando a vantagem conquistada no início do set, o Canadá fechou a conta em 25×17 e manteve vivo o sonho de uma medalha inédita na Liga Mundial.

Sérvia estreia com derrota

No fechamento da rodada, os Estados Unidos se recuperaram da derrota para a França e venceram a atual campeã Sérvia por 3×1, continuando assim com chances de avançar às semifinais de amanhã (7).

Hoje (6), o Brasil pega a Rússia, às 15h05. A fase de grupos se encerra às 17h40 com o duelo entre França e Sérvia.

Confira os resultados e a tabela da fase de classificação.

Fase Final Liga Mundial 2017 – Curitiba, Brasil

04.07 – Brasil 3 x 1 Canadá (25×21, 17×25, 25×19, 25×19)
04.07 – França 3 x 2 Estados Unidos (27×25, 20×25, 26×24, 17×25, 15×12)

05.07 – Rússia 0 x 3 Canadá (23×25, 27×29, 17×25)
05.07 – Sérvia 1 x 3 Estados Unidos (22×25, 23×25, 25×19, 22×25)

06.07 – 15h05 – Brasil x Rússia
06.07 – 17h40 – França x Sérvia

07.07 – Semifinais
08.07 – 3º lugar e Final

Com informações da FIVb.
Foto: FIVb

[Olimpíadas] É 2004? Brasil ressurge e Itália chega à final em partida emocionante

Assim como em Atenas 2004, a final do vôlei masculino na Rio 2016 será entre Brasil e Itália, e a decisão do bronze entre Rússia e Estados Unidos. A diferença é que dessa vez a Itália chega mais forte e regular para a disputa do ouro contra os brasileiros amanhã (21).

Italy celebrateOs italianos venceram sua semifinal contra os Estados Unidos por 3×2 (30×28, 26×28, 9×25, 25×22, 15×13), contando com o apoio dos torcedores brasileiros presentes no Maracanãzinho, que de novo pegou no pé do americano Russell, e a liderança de Zaytsev em quadra, o grande nome italiano nos Jogos do Rio. A Itália busca a medalha inédita após bater na trave em 1996, contra a Holanda, e 2004, contra o Brasil.

Já o Brasil e o líbero Serginho chegam à sua quarta final seguida em Olimpíadas, a sexta decisão do voleibol masculino (1984, 1992, 2004, 2008, 2012 e 2016). A classificação veio com a vitória diante da Rússia no fim da noite de ontem (19) e não poderia ter sido de maneira mais perfeita. A vitória em sets diretos foi a melhor atuação brasileira nos Jogos desde a “decisão” contra a França na última rodada da fase de grupos.

Com o saque e a recepção funcionando, os brasileiros foram mais uma vez empurrados pela torcida e jogaram toda a pressão do resultado para os atuais campeões olímpicos. Sem o passe na mão, o levantador Grankin não conseguiu aproveitar os centrais e sobrecarregou o veterano Tetyukhin e o oposto Mikhaylov. “Estabelecemos nosso jogo no saque e perdemos poucos contra-ataques. A Itália merece crédito pela vitória sobre os Estados Unidos com a vitória na recuperação. O time deles cresceu muito com Juantorena”, disse o central Lucão.

BrazilianSrgioDutracelebratestheirclassificationtothefinalsDo lado brasileiro vale destacar, além da atuação impecável da equipe, o baixo número de erros: foram apenas 10 pontos cedidos aos russos em toda a partida, enquanto os adversários deram 25 pontos de graça. “Depois de vencer em Londres e o Campeonato Europeu, não conseguimos repetir o resultado com uma equipe jovem. Cometemos muitos erros e essa foi a principal razão por termos terminado com a derrota contra a forte equipe brasileira. Não conseguimos segurar o saque deles”, avaliou Vladmir Alekno, treinador da Rússia.

Com informações da FIVb.
Fotos: FIVb