[Superliga] Sada Cruzeiro conquista o penta e se torna o maior campeão da competição

“A imagem do Cruzeiro resplandece”, a frase do hino nacional brasileiro define o que há sete temporadas faz o Sada Cruzeiro, que quebra recordes e levanta taça atrás de taça. Neste domingo (7), no Mineirinho, em Belo Horizonte (MG), diante de 13.956 torcedores, a maioria torcida celeste, mais um capítulo vitorioso foi escrito, o time derrotou o Funvic Taubaté por 3 sets a 1, parciais de (25×22,25×22, 18×25 e 25×19) em 1h57 de partida, se consagrou pentacampeão da Superliga, o que transformou o time mineiro em maior vencedor da competição, superando Minas e Florianópolis, que têm quatro títulos cada um.

Com uma campanha quase que perfeita, O Sada chegou a decisão com apenas uma derrota em toda a Superliga [22 jogos e 21 vitórias], sendo o único placar desfavorável, justamente para Taubaté, no final do segundo turno da competição, quanto atuou com o grupo quase todo reserva, pois já estava com folga no primeiro lugar da classificação. Vale ressaltar que ao longo dessa Superliga estiveram em quadra 10 dos 12 jogadores campeões olímpicos [sendo apenas dois do Cruzeiro, William e Evandro] uma disputa de alto nível, o que enaltece ainda mais a trajetória cruzeirense.

O JOGO

A tão aguardada final entre Cruzeiro e Taubaté, respectivos primeiro e segundo colocados na fase de classificação, seria decidida a favor da equipe que encontrasse esse equilíbrio entre ataque e defesa e, foi assim que os mineiros começaram melhor. Com bons saques e dificultando a recepção de Taubaté, o Sada abriu vantagem (10×7), o que causou o pedido de tempo técnico de Taubaté. Na volta à quadra, o time do Vale do Paraíba voltou mais ligado, foi tirando a diferença no placar e no bloqueio de Lucarelli, passou a liderar o marcador (13×14). Esse fundamento estava afiado nos dois times, o que equilibrou a parcial (17×17). Mas no momento final, a equipe mineira cresceu, não desperdiçou contra-ataques, teve uma sequência indefensáveis de saques de Leal (22×19), o que fez o Cruzeiro se distanciar e ainda provocou a entrada de Japa no lugar de Lucarelli para tentar melhorar a recepção. Porém, a mudança foi tardia e não causou efeito no placar, que foi vencido pelos anfitriões por 25×22, em 29 minutos.

2º set

Taubaté começou mais agressivo e, contando com erros de ataques do Cruzeiro, abriu uma ótima vantagem (3×7), o técnico Marcelo Mendez pediu tempo. A parada fez bem ao time mineiro que voltou mais ligado, rapidamente tiraram a desvantagem e igualaram o placar (8×8). Com dois saques indefensáveis de Éder, Wallace marcou mais um ponto para o Funvic, que abriu dois pontos (15×17). Os cruzeirenses foram buscar o placar, em jogada de pura habilidade de Filipe que explorou o bloqueio e deixou tudo igual (20×20). Mais uma vez, o saque foi determinante para definir os números finais do set, no ponto direto nesse fundamento de Leal, o time celeste passou a comandar o marcador (21×20). Leo, jovem jogador cruzeirense, entrou para sacar e, com um saque balanceado, permitiu o contra-ataque mineiro, que terminou com um lindo ataque Simón (23×21). E o baixinho William, acostumado a levantar bolas incríveis, definiu o set cm um lindo bloqueio (25×22), 32 minutos.

serginho e filipe

– Jogando juntos há sete temporadas, Serginho e Filipe comemoram mais um título.  O líbero se transforou no maior vencedor da competição, com sete títulos. (Foto: Divulgação/CBV/Inovafoto)

3º set 

Assim como havia acontecido anteriormente, o Taubaté abriu (3×7). Japa, que entrou no lugar de Lóh, no início desse set, marcou dois pontos consecutivos, ampliando a vantagem do time paulista (4×10).  O Cruzeiro demonstrou uma reação e Funvic respondeu parando a parcial (13×15).  Com Lucarelli crescendo na partida tanto na recepção quanto no ataque, o ponteiro fez sete pontos ao longo do set, o time paulista se impôs e não deixava o rival reagir. Com o crescimento de Lucarelli, o levantador Rapha pôde distribuir mais as jogadas no ataque, não sobrecarregando o oposto Wallace (18×23). E, de novo, o saque foi fundamental, desta vez para que o Funvic Tabaté vencesse o set, com uma ótima vantagem, após ace de Éder (25×18), em 26 minutos.

4º set

As equipes começaram o set errando muito saque (4×4). Um bom saque, concluída com a bola de xeque, colocaram o Cruzeiro com dois pontos de vantagem (9×7). Em uma jogada excepcional de William, que deixou Evandro sem bloqueio, os cruzeirenses abriram margem (13×9), levantando o ginásio do Mineirinho.  Se por um lado a recepção não funcionava, Mário Jr foi substituído por Matheus, do outro lado, Serginho colocava a bola nas mãos de seu levantador. O time mineiro impôs um ritmo forte e Taubaté não sobre como reagir (18×11).  O time paulista apresentava nervosismo e ansiedade para concluir o ponto, o que não foi bom para a equipe. Após longa troca de bolas, Leal marcou, dando o match point para o Sada, que finalizou o set (25×19) e a partida, após Isac bloquear.

 

Anúncios

[Mundial] Sada Cruzeiro atropela Zenit Kazan e conquista o tricampeonato mundial

O Sada Cruzeiro conquistou o título do Mundial de Clubes pela terceira vez na história. Em Betim (MG), neste domingo (23), o time brasileiro venceu o Zenit Kazan, da Rússia, por 3 sets a 0, parciais de (25-21, 25-23, 25-15), em reedição da final do ano passado, que também foi vencida pelos cruzeirenses.

aaa

_ o cubano naturalizado brasileiro Leal foi o principal pontuador da partida. (Foto: FIVB)

Em final recheada de estrelas do voleibol mundial, o ataque foi o destaque da partida, com domínio dos mineiros, 38 contra 26 dos russos. O oposto Evandro com 60% de acertos e 14 pontos foi o maior pontuador da partida decisiva, seguido de perto do ponteiro Leal, com 13 acertos. Do lado do Zenit, Leon foi o principal pontuador, com 13 pontos e o oposto Mihaylov marcou 10 vezes. O norte americano Matt Anderson, foi o destaque negativo do confronto, com apenas cinco pontos.

 

O JOGO

 A partida começou com o oposto Evandro virando todas as bolas quando acionado (5×3). Com a recepção cruzeirense bem, o levantador William optava pelas jogadas rápidas pelo meio com o central Simón (16×13). Se do lado brasileiro o ataque era muito eficiente com destaque para Rodriguinho, e Leal, pelo lado russo Anderson e Mikhaylov enfrentavam uma certa dificuldade em pontuar (19×15). O cubano naturalizado polonês Leon chamou a responsabilidade e diminuiu a desvantagem do Zenit (22×20), mas o Kazan voltou a falhar e viu o Sada vencer o primeiro set (25×21).

 2º set

llllllllllllll.jpg

_ Leon(9), foi o atacante mais eficiente do time do Zenit. (Foto:FIVB)

O Zenit Kazan voltou com uma outra postura para a segunda parcial e logo impôs uma boa margem (3×7), fazendo com que o técnico Marcelo Mendez parasse a partida logo no início. O tempo fez bem aos cruzeirenses que voltaram mais ligados e com uma sequência de cinco pontos viraram o marcador (8×7).  Daí por diante o set seguiu equilibrado e só houve uma vantagem após Simón parar o ataque de Anderson (19×17). A jogada fez bem para o Sada que voltou a se impor e, no ataque de Evandro que explorou o bloqueio adversário, o Cruzeiro fechou mais um set da final (25×23).

 

3º set

Com os times se revezando na liderança do placar (10×10), foi o início mais equilibrado da grande final. Os cubanos Leal e Leon seguiram sendo os destaques no ataque de Cruzeiro e Zenit, respectivamente.  Cuba ainda teve outro destaque, o meia Simón, do Cruzeiro, que no bloqueio deu vantagem para os mineiros (13×11). Com a arquibancada inflamada e incentivando o Sada, os jogadores respondiam em quadra e ampliavam a diferença (20×14).  O time do Zenit sentiu a pressão e não conseguiu reagir, o resultado foi um massacre celeste, que fechou o set com dez pontos à frente (25×15) e se consagrou tricampeão mundial de clubes.

triiiiiiiiiiiiiiii

_ Jogadores cruzeirenses vibram com mais um ponto. (Foto: FIVB)

EQUIPES:

Sada Cruzeiro: William, Evandro, Rodriguinho, Leal, Isac, Simón e Serginho

Entraram: Cachopa, Renan

Técnico:  Marcelo Mendez

Zenit Kazan:  Butko,Mikhaylov, Leon, Anderson,Ashchev, Volvich e Verbov

Entraram: Kobzar, Sivozhelez, Gutsalyuk,

Técnico:  Vladimir Alekno

SELEÇÃO DO CAMPEONATO:

Confira quais foram os jogadores que se destacaram nas estatísticas e foram eleitos na seleção do Mundial:

wwwwwwwwww

_  Com atuação acima da média durante todo o campeonato, William Arjona( Sada Cruzeiro) foi eleito o MVP, o jogador mais valioso do Mundial de Clubes. (Foto: FIVB)

Levantador: Giannelli( Trentino)

Ponteiros: Leal(Cruzeiro) e Leon ( Zenit)

Centrais: Volvich (Zenit) e Crer (Bolívar)

Líbero: Serginho (Cruzeiro)

Oposto: Evandro (Cruzeiro)

MVP: William (Cruzeiro)

 (Foto: Reprodução Facebook Sada Cruzeiro Vôlei)

[Paulista] No golden set, Taubaté vence Sesi e se consagra tricampeão do estadual

Após perder o primeiro jogo da final para o Sesi SP por 3 a 0 (21x 25, 16 x 25 e 23x 25) na Vila Leopoldina, a equipe de Taubaté deu a volta por cima, venceu o segundo confronto por 3 sets a 1(26×24,25×17,22×25 e 25×17) no ginásio do Abaeté e levou a decisão do campeonato para o set desempate, onde venceu por (25×21) e se consagrou tricampeão do estadual.

O JOGO:

Precisando vencer para forçar o golden set, set decisivo do campeonato, Taubaté começou impondo o ritmo e chegou ao tempo técnico em vantagem (8×6). A equipe da case se manteve à frente (17×16), mas forçava bastante saque sem sucesso e viu o Sesi se recuperar e deixar tudo igual (18×18).  Lucarelli, um dos destaques de Taubaté, foi substituído por Japa, que entrou bem e ajudou Taubaté a retomar a liderança (21×19). O bloqueio do time visitante parou o forte ataque taubateano e passou no marcador na hora decisiva (22×23) mas, rapidamente, no bloqueio duplo de Otávio e Japa e no erro de ataque de Murilo, a equipe da casa fechou o set (26×24), em 31 minutos.

 2º set

Como já havia acontecido na primeira parcial, Taubaté chegou à parada obrigatória liderando o placar (8×6), após bloqueio do levantador Rapha.  Wallace chamou a responsabilidade e, ao lado do ponteiro Lucas Lóh, lideravam o time (16×10). Murilo, capitão do Sesi, não concordou com a marcação do árbitro e reclamou, a atitude gerou um cartão amarelo para o time visitante. Na sequência, forçando o saque e aproveitando os contra-ataques, os donos da casa não davam chances de recuperação para o adversário (21×13) e o time se encaminhou para vencer mais um set (25×17). Foram 17 pontos de ataque de Taubaté, contra apenas oito do Sesi.

3º set

O Sesi voltou com uma postura diferente e com a recepção melhor, o que fez o levantador Bruno voltar a forçar as bolas de primeiro tempo com os centrais Lucão e Aracajú (9×12).  A equipe visitante seguiu liderando (12×15) e parecia que a vantagem seguiu até o fim do set. Porém, Taubaté foi buscar uma reação e com ótima atuação de Japa, empatou o placar (19×19). O final permaneceu equilibrado (22×22), até o levantador Rapha cometer os dois toques. Na sequência, Taubaté se desconcentrou e o Sesi aproveitou para vencer o seu primeiro set (22×25), após o bloqueio de Leitzke, que havia entrado justamente para pontuar nesse fundamento.

 4º set

Com dois bloqueios seguidos, um de Japa e outro de Otávio, a equipe local abriu vantagem logo no início (4×1). Com um saque forçado e atrapalhando a recepção do Sesi, Taubaté foi ampliando (9×3). Mesmo sem ritmo de jogo pois está voltando de uma ruptura parcial do tornozelo, o técnico Marcos Pacheco colocou Douglas Souza para dar mais equilíbrio no passe de sua equipe.  Se de um lado a recepção não funcionava muito bem, a linha de passe dos donos da casa seguia colocando a bola na mão do levantador Rapha, que distribuía muito bem suas jogadas (16×8). Com ampla margem e certa facilidade, o Funvic fechou o set (25×17) e o jogo por 3 a 1, levando a decisão do Paulista para o set decisivo, o golden set.

Golden set

Após dois erros de ataque de Wallace, o Sesi começou o set decisivo à frente (1×3). Porém, rapidamente, o oposto do Funvic se recuperou e, com um ace, inverteu a vantagem para sua equipe chegar na liderança no tempo técnico (8×6). O golden set seguiu nervoso e equilibrado (10×10), mas no contra-ataque Taubaté abriu (12×10) e ampliou a vantagem para três pontos na segunda parada obrigatória (16×13). Na volta à quadra o Sesi recuperou o ritmo de jogo e deixou a parcial empatada mais uma vez (19×19).  Com o bloqueio fazendo a diferença no final do set, a equipe da casa reconstruiu a vantagem (24×21) e no erro de Aracaju fecharam o jogo (25×21), se consagrando tricampeão paulista.

EQUIPES:

Funvic/Taubaté:  Rapha, Lucarelli, Lóh, Otávio, Éder, Wallace e Mário Jr

Entraram: Japa, Danilo Gelinski, Kaio e Vinicius

Técnico: Cézar Douglas

SESI SP:  Bruno, Murilo, Fábio, Aracajú, Lucão, Théo e Serginho

Entraram: Vaccari, Alan, Johan e Leitzke.

Técnico: Marcos Pacheco

(Foto: Reprodução/ Facebook Vôlei Funvic Taubaté)

[Olimpíadas] Começo ruim, final de ouro: Brasil é tri no Maracanãzinho

GalleryPic (1)Na tarde deste domingo (21), último dia dos Jogos Olímpicos de 2016, a seleção brasileira fez história e conquistou sua terceira medalha de ouro no vôlei masculino. O título veio após a vitória suada diante da Itália por 3×0 (25×22, 28×26, 26×24) e consagrou o líbero Serginho como um dos maiores medalhistas do Brasil. Além de fechar seu ciclo na seleção, o jogador foi escolhido o MVP dos Jogos.

Com a apoio da torcida, que lotou o Maracanãzinho, a seleção brasileira reverteu o placar em todas as parciais e, numa noite brilhante do levantador Bruninho, Wallace conseguiu dar um nó na defesa italiana. “Estou feliz pelo Bruno, por tudo o que disseram sobre ele, principalmente em Pequim. A dupla Bruninho e Lucão foi imparável, e o Wallace entrou no hall dos grandes jogadores da nossa história”, disse o técnico Bernardinho, que ainda não definiu o seu futuro à frente da seleção.

Os ponteiros Lipe e Lucarelli mantiveram o ritmo e a performance que tiraram o Brasil do buraco na última rodada da fase de grupos contra a França: destruindo a recepção italiana, sobrecarregando o ponteiro Lanza no passe e mandando a pressão para o jovem levantador Gianelli. Do lado europeu, o saque – arma mais potente da equipe – não rendeu na final e contribuiu para o número de erros da seleção italiana.

euaita_podio_rio2016Embora saia do Rio com a derrota, a prata é uma grande conquista para mais uma forte geração italiana que continuará dando trabalho nas competições internacionais.

Despedidas e virada na decisão do bronze

Mais despedidas olímpicas marcaram a decisão do bronze: os veteranos Priddy (EUA), Tetyukhin (Rússia) e David Lee (EUA) não devem participar do ciclo dos Jogos de Tóquio. Campeão em 2008 diante do Brasil, Priddy foi importante na virada americana na conquista do bronze na manhã de hoje. Os Estados Unidos perdiam da Rússia por 2×0 e após a entrada do veterano levou a decisão para o tie-break. “Dói de uma maneira enorme. Quase vencemos. Jogamos melhor do que jogamos contra o Brasil. Jogamos melhor até o fim, mas os resultados não vieram a nosso favor. Não existe ninguém no time que eu possa criticar, todos deram o melhor de si. Quero agradecê-los. Eles são uma equipe excelente e terão um futuro excelente”, disse Tetyukhin.

GetImage

Com informações da FIVb.
Fotos: FIVb

[Olimpíadas] É 2004? Brasil ressurge e Itália chega à final em partida emocionante

Assim como em Atenas 2004, a final do vôlei masculino na Rio 2016 será entre Brasil e Itália, e a decisão do bronze entre Rússia e Estados Unidos. A diferença é que dessa vez a Itália chega mais forte e regular para a disputa do ouro contra os brasileiros amanhã (21).

Italy celebrateOs italianos venceram sua semifinal contra os Estados Unidos por 3×2 (30×28, 26×28, 9×25, 25×22, 15×13), contando com o apoio dos torcedores brasileiros presentes no Maracanãzinho, que de novo pegou no pé do americano Russell, e a liderança de Zaytsev em quadra, o grande nome italiano nos Jogos do Rio. A Itália busca a medalha inédita após bater na trave em 1996, contra a Holanda, e 2004, contra o Brasil.

Já o Brasil e o líbero Serginho chegam à sua quarta final seguida em Olimpíadas, a sexta decisão do voleibol masculino (1984, 1992, 2004, 2008, 2012 e 2016). A classificação veio com a vitória diante da Rússia no fim da noite de ontem (19) e não poderia ter sido de maneira mais perfeita. A vitória em sets diretos foi a melhor atuação brasileira nos Jogos desde a “decisão” contra a França na última rodada da fase de grupos.

Com o saque e a recepção funcionando, os brasileiros foram mais uma vez empurrados pela torcida e jogaram toda a pressão do resultado para os atuais campeões olímpicos. Sem o passe na mão, o levantador Grankin não conseguiu aproveitar os centrais e sobrecarregou o veterano Tetyukhin e o oposto Mikhaylov. “Estabelecemos nosso jogo no saque e perdemos poucos contra-ataques. A Itália merece crédito pela vitória sobre os Estados Unidos com a vitória na recuperação. O time deles cresceu muito com Juantorena”, disse o central Lucão.

BrazilianSrgioDutracelebratestheirclassificationtothefinalsDo lado brasileiro vale destacar, além da atuação impecável da equipe, o baixo número de erros: foram apenas 10 pontos cedidos aos russos em toda a partida, enquanto os adversários deram 25 pontos de graça. “Depois de vencer em Londres e o Campeonato Europeu, não conseguimos repetir o resultado com uma equipe jovem. Cometemos muitos erros e essa foi a principal razão por termos terminado com a derrota contra a forte equipe brasileira. Não conseguimos segurar o saque deles”, avaliou Vladmir Alekno, treinador da Rússia.

Com informações da FIVb.
Fotos: FIVb

Cruzeiro e Taubaté estreiam no Sul-Americano de Clubes

por Lucilia Bortone

Sada/Cruzeiro e Funvic/Taubaté estreiam hoje no Sul-Americano de Clubes na Argentina. A competição dá ao campeão uma vaga no Mundial de Clubes. Na primeira partida da noite, Taubaté enfrenta a equipe do Bohemios, do Uruguai. Na sequência, o Sada pega o San Martin, da Bolívia.

Antes de viajar para San Juan, o técnico do Funvic/Taubaté, Cézar Douglas, falou sobre a primeira participação de sua equipe no Sul-americano. “O primeiro objetivo é tentar recuperar todos os jogadores. A expectativa é ver como a equipe vai se portar dentro de um campeonato mais curto”, disse.

Do lado mineiro, a equipe do Sada/Cruzeiro ainda teve que superar uma viagem longa até San Juan. Após atrasos nos vôos partindo de Belo Horizonte e Rio de Janeiro, os cruzeirenses só chegaram à Argentina na manhã de ontem. “Eu acho que tudo que aconteceu no caminho até aqui não pode servir de muleta para nós. A gente veio aqui com o objetivo de vencer esse campeonato, de conquistar o terceiro título. Cada um deve se empenhar ao máximo para se recuperar”, disse o líbero Serginho.

No Sul-americano Cruzeiro e Taubaté estão no Grupo B ao lado de Bohemios (Uruguai) e San Martin (Bolívia). No Grupo A estão os donos da casa UPCN, Club Linares (Chile) e Lomas de Zamora (Argentina).
As semifinais estão marcadas para sábado e a final para o domingo.

Superliga: Estreia com (muita) emoção

 

por Luara Herédia 

Foto: Allison Ferrarezi

Foto: Allison Ferrarezi

A equipe de vôlei da UFJF fez ontem, 21, a sua estreia na Superliga 2013/ 2014 diante do Sesi- SP, uma das equipes favoritas ao título da competição. Porém, os mineiros não fizeram feio e perderam no detalhe ( tie- break) para o time paulitas.  Leia sobre o jogo aqui. Apesar do belo espetáculo dentro de quadra,o que marcou a partida foi o desmaio do líbero Serginho.

 Serginho começou a sentir dores abdominais antes do início do jogo, mas mesmo longe da sua melhor condição física entrou em quadra e jogou os dois primeiros sets. Porém, antes do início do 3º set o jogador passou mal e desmaiou a caminho do vestiário.

O líbero recebeu os primeiros atendimentos e foi encaminhado para um hospital de Juiz de Fora para realizar alguns exames. Hoje pela manhã, o jogador pronunciou em uma rede social que estava melhor e as dores foram causadas por causa de um cálculo renal.Boa recuperação, Escadinha!

Foto via Instagram

                                        Foto: Instagram

Dentro das quadras

 Mesmo com a regra que permite um time ter dois líberos, apenas um pode ser inscrito para a partida. Por isso, quando Serginho deixou a quadra, Luciano, o líbero reserva não pode entrar, sobrou para o ponteiro Ary que vestiu um colete e jogou como líber

O ponteiro Ary jogou com um colete improvisado e assumiu a posição de  líbero no time paulista. Foto: Allison Ferrarezi

O ponteiro Ary jogou com um colete improvisado e assumiu a posição de líbero no time paulista. Foto: Allison Ferrarezi

Ao fim da partida, Ary falou sobre seu desempenho como líbero: “ Nesta temporada foi novidade porque antes eu estava machucado e treinei bastante de líbero. Cheguei a jogar alguns jogos, mas hoje foi bem no improviso mesmo, o  Serginho estava mal e acho que tem que ser pau pra toda obra, né?”

Quem também comentou sobre o episódio sobre Serginho foi o técnico do Sesi, Marcos Pacheco:  A situação nos preocupou bastante porque ele não tinha nada, viemos para Juiz de Fora com 14  jogadores,   dois líberos  e não tinha sinal nenhum de preocupação.  Porém, antes do jogo ele sentiu  uma dor abdominal , mas  já tínhamos dado a lista( relacionados para o jogo) e aí não tinha como voltar  atrás. Ele é um guerreiro por natureza e tentou, mas chegou um limite”.

Marcos Pacheco também falou sobre o desempenho de Ary:  Entrou um jogador que tem condições de passar, mas não é o libero. Isso quebrou a sistemática, mas o Ary entrou muito bem  e a equipe soube superar essa dificuldade.