[Superliga] Canoas garante vaga nos playoffs após vitória sobre o JF Vôlei

O início da noite de ontem (10), em Juiz de Fora, foi de muita chuva e de despedidas. O JF Vôlei, já rebaixado, fez sua última partida em casa na temporada e amargou mais uma derrota. Em jogo válido pela 10ª rodada do returno, a equipe juiz-forana foi derrotada pelo Lebes/Canoas por 3×1, parciais de 25×27, 18×25, 25×19 e 20×25. O troféu Viva Vôlei ficou com o ponteiro Rodrigo, do Canoas. Além de Rodrigo, Abouba e Matheus também se destacaram do lado gaúcho.

Ainda que tenha desestabilizado a recepção da equipe gaúcha em vários momentos da partida, o JF Vôlei voltou a pecar no ataque e não conseguiu levar o duelo para o tie-break. “Pegamos um adversário muito inspirado em algumas ações, e muito inspirado no ataque. Seguimos lutando da forma como podíamos, buscando na defesa, buscando fazer um saque acelerado para complicar a situação do adversário, mas eles tiveram uma constância muito grande no ataque e trabalharam com muita agressividade com passe bom e com passe ruim”, avaliou o treinador do JF Vôlei, Henrique Furtado.

DSC00230.jpg

Marcel Matz faz sua primeira temporada como treinador (Foto: Lucilia Bortone/Sacandoovolei)

A vitória deu ao Lebes/Canoas a certeza de que estará nos playoffs da Superliga 2017/2018, tendo ainda a possibilidade de passar como 7º colocado. “Não oscilamos muito, até melhoramos no returno. Com essa vitória por 3×1, já pontuamos mais do que no turno. Manter um nível alto a temporada toda é bem difícil, é um time jovem que está experimentando a Superliga como titular pela primeira vez e tem que se provar a todo momento. Hoje [ontem] era um jogo difícil, com muita tensão do nosso lado por buscar um resultado para garantir matematicamente a classificação e com menos tensão para o lado do JF Vôlei. Graças ao desempenho e à concentração dos jogadores, conseguimos a nossa classificação para os playoffs”, disse o técnico do Canoas, Marcel Matz.

Matz, que atuou como assistente técnico em equipes como o Sesi-SP e na seleção brasileira juvenil, faz sua primeira temporada como treinador na Superliga. “Essa está sendo a minha maior missão como profissional. Graças ao trabalho da comissão técnica toda e ao empenho dos jogadores conseguimos os resultados. A seriedade no dia-a-dia e os resultados que aconteceram para o nosso lado, fizeram com que acreditássemos que podíamos cada jogo um pouquinho mais e hoje estamos colhendo os frutos desse trabalho. Foi uma missão bem difícil, muita dúvida no início de como agir sendo responsável pela tomada de decisão final. Estava preparado, mas estou experimentando uma coisa que agora é diferente”.

Ao lado de Marcel Matz está Marcelinho Ramos, que já comandou o Canoas e na última temporada estava no Montes Claros. “Já tinha trabalhado com ele na Ulbra quando eu era estagiário, e sabia que era um cara que tinha condição total de me ajudar. Ele comprando a ideia e vendo que tinha espaço para trabalhar, se sentiu motivado e contribuiu muito para o desempenho do time. A gente vai levando de um jeito que seja bom para a equipe, vai construindo junto com características diferentes e isso deu certo”, comentou Marcel Matz.

Na próxima rodada, a última da fase de classificação, o Lebes/Canoas recebe o Minas Tênis Clube e o JF Vôlei enfrenta, fora de casa, o Corinthians-Guarulhos. Todas as partidas da 11ª rodada do returno acontecem no dia 17 de março e no mesmo horário, às 20h30.

Anúncios

[Superliga] Em confronto direto, Montes Claros leva a melhor sobre o JF Vôlei

Empatados em números de vitórias e derrotas, JF Vôlei e Montes Claros entraram em quadra na noite de ontem (13) com a pressão do confronto direto. Prevaleceu a experiência, e a equipe do Norte de Minas levou a melhor e venceu os juiz-foranos por 3×1, no ginásio da UFJF, com parciais de 23×25, 20×25, 25×20 e 23×25. O troféu Viva Vôlei ficou com o oposto Lorena, do Montes Claros.

Com uma campanha muito aquém do potencial da equipe, Montes Claros comemorou bastante a vitória fora de casa. “A importância, mais do que nunca, foi de o grupo ganhar confiança. Não treinamos mal, fazemos jogos muito bons, perdemos alguns sets para times grandes jogando de igual para igual. Temos passado por situações difíceis e o grupo tem tomado atitudes de que quer passar por cima dos problemas. Foi importante a vitória para já pensar longe, em querer estar entre os oito, e, num confronto direto de seis pontos, não podemos dar mole”, disse o técnico do Montes Claros, Sérgio Cunha.

DSC00665.jpgBastante criticada nas arquibancadas, a recepção de Juiz de Fora sofreu com a variação de saque de Montes Claros nos momentos decisivos. “A nossa recepção funcionou por muito tempo com pouquíssimos erros, talvez, em alguns momentos, ela não estava perfeita na mão do levantador. Eles praticamente não fizeram ponto de saque, o que foi um ponto positivo. O flutuante deles foi um flutuante muito agressivo, acelerado e próximo à rede, um saque muito difícil de receber. É trabalhar cada vez mais que os passes C virem passes B e que os passes B virem passes A para que a gente possa fazer uma boa saída de jogo e elevar o nível do ataque”, avaliou Henrique Furtado, treinador do JF Vôlei.

Na próxima rodada, Montes Claros recebe o Minas Tênis Clube, em mais um clássico estadual, no dia 19 de janeiro. No dia seguinte, o JF Vôlei enfrenta o Vôlei Renata, no ginásio do Taquaral, em Campinas.

O jogo

A partida começou bem equilibrada, porém Montes Claros pecava bastante no saque (13×12). Mesmo sem muitas oportunidades no side-out (devido aos erros de MOC no fundamento), a distribuição de jogo do levantador Adami proporcionou dinamismo ao jogo de Juiz de Fora. Na reta final do set, os donos da casa abriram quatro pontos de vantagem, forçando dois pedidos de tempo de Sérgio Cunha. Após as pausas e as entradas de Cristiano, Alemão e Luan, Montes Claros conseguiu encostar com dois bloqueios do central Mesa. Confiante na recuperação, o MOC empatou a parcial e virou o jogo para vencer o 1º set em 23×25.

DSC00608.jpgAssim como no set inicial, o jogo se manteve equilibrado e com o bloqueio de Juiz de Fora incomodando. Porém, Montes Claros se manteve focado na defesa e, aproveitando a melhora de seu saque, conseguiu fazer com que a recepção do JF Vôlei dificultasse os levantamentos (10×12). Com o ataque caindo de produção, os juiz-foranos pouco puderam fazer para reequilibrar o duelo e foram superados por 20×25. Destaque para a boa distribuição de jogo do levantador Sandro, principalmente nos contra-ataques com o oposto Lorena.

Precisando da vitória no set para poder sonhar com pelo menos um ponto a mais na classificação, o JF Vôlei conseguiu manter a calma para aproveitar os erros de Montes Claros (15×13). Ao contrário do 1º set, os juiz-foranos não deixaram MOC encostar após abrir quatro pontos no placar (20×16). No fim, Juiz de Fora devolveu o placar do set anterior e se manteve vivo no jogo.

Os donos da casa começaram bem no 4º set, chegando a abrir quatro pontos com a ajuda do bloqueio e contra-ataques (5×1). Após sequência de saques do oposto Lorena, Montes Claros conseguiu a reação e passou à frente (14×15). E foi neste mesmo fundamento que o central Tarcísio voltou a bagunçar a recepção de Juiz de Fora, dando ao Pequi Atômico boa vantagem no final do set (16×19). Juiz de Fora esboçou uma reação após dois erros de ataque de Lorena, porém o oposto não desperdiçou a terceira oportunidade e fechou o set em 23×25 para os visitantes.

JF Vôlei
Adami, Emerson, Bruno, Rômulo, Leozinho, Rammé. Líbero: Juan.
Entraram: Welinton, Felipe, Athos
Técnico: Henrique Furtado

Montes Claros Vôlei
Sandro, Lorena, Mesa, Tarcísio, Zanotti, Najari. Líbero: Vanderson.
Entraram: Cristiano, Alemão, Luan

Fotos: Lucilia Bortone/Sacandoovolei

[Superliga] Returno começa hoje (21) e promete mais equilíbrio

Sem chance de respirar, a Superliga 2017/2018 já inicia a segunda metade da fase de classificação. Hoje (21), cinco partidas abrem a disputa do returno da competição nacional: Sesi-SP x Copel Telecom Maringá Vôlei; Montes Claros x Lebes Canoas; Minas Tênis Clube x JF Vôlei; Vôlei Renata x Ponta Grossa Caramuru Vôlei; e EMS Taubaté Funvic x Sesc-RJ.

O duelo entre Taubaté e Sesc, que abriu esta edição da Superliga, encerra o calendário de 2017 com muita história. Surpreendendo muita gente, a equipe do Rio de Janeiro logo mostrou a que veio vencendo os atuais vice-campeões na estreia. De certa forma, será a chance de uma revanche. “Estamos muito focados e fazendo uma preparação muito forte, pois esse jogo vai exigir nosso máximo em todos os aspectos. O Sesc-RJ está fazendo um campeonato muito regular. E a motivação é muito alta, principalmente por termos perdido a primeira partida lá no Rio”, disse o central Otávio.

DSC09447.jpgEquilíbrio de topo ao lanterna
Com apenas 3 pontos separando o Caramuru de uma posição entre os oito primeiros, a briga por uma vaga nos playoffs vai se acirrando e toda partida agora é uma final. Atualmente na nona colocação com 11 pontos, os paranaenses terão a chance de incomodar ainda mais o Vôlei Renata e o Canoas na tabela. Mesmo atrás em número de vitórias, o Ponta Grossa Caramuru vem se apresentando muito bem nessa temporada. Porém, Caramuru não pode relaxar porque, mesmo não fazendo um bom 1º turno, o Montes Claros (10º) pode recuperar a nona colocação se vencer o Canoas nesta quinta-feira.

Com apenas dois pontos conquistados, JF Vôlei e Maringá estão na luta pela recuperação na Superliga. Os mineiros vêm fazendo boas partidas, porém pecando bastante nos finais de sets. Oscilando mais, o Copel Telecom Maringá ainda não conquistou uma vitória na competição e, assim como Juiz de Fora, precisa pontuar para não ficar mais perto da Superliga B.

Superliga 2017/2018 - JF Vôlei 0 x 3 Corinthians-Guarulhos - 14Cruzeiro e Corinthians? Só em 2018

Devido à participação no Mundial de Clubes e a longa viagem de volta ao Brasil, o Sada Cruzeiro encerra da 1ª rodada do returno enfrentando o Corinthians-Guarulhos somente no dia 16 de janeiro. Sobre a longa folga, o técnico do Corinthians, Alexandre Stanzione, não vê só pontos negativos. “Tem os dois lados. Atrapalha um pouco porque você perde um pouco de ritmo, mas nós estamos numa tocada muito grande desde a Taça Ouro. Agradecemos um pouco o espaço para dar uma zerada na cabeça, cuidar do corpo, e voltar bem, com uma intensidade maior. Lógico que se perde um pouco de ritmo trabalho de jogo, mas acho que vamos ganhar um pouquinho na nossa consistência física”, disse Stanzione após a vitória diante do JF Vôlei na última rodada do turno.

Superliga Masculina 2017/2018 – 1ª rodada – RETURNO

21.12.17
19h – Sesi-SP x Copel Telecom Maringá Vôlei
19h – Montes Claros Vôlei x Lebes Canoas
19h30 – Minas Tênis Clube x JF Vôlei
20h – Vôlei Renata x Ponta Grossa Caramuru
21h30 – EMS Taubaté Funvic x Sesc-RJ (SPORTV)

16.01.18
20h – Sada Cruzeiro x Corinthians-Guarulhos (SPORTV)

Com informações da CBV
Fotos: Lucilia Bortone/Sacandoovolei

[Superliga] Caramuru mantém regularidade e vence JF Vôlei fora de casa

DSC09187

Jacu entrou no ginásio e foi o centro das atenções no início do 1º set. (Foto: Lucilia Bortone/Sacandoovolei)

Com direito a invasão de um jacu, o Ponta Grossa Caramuru Vôlei saiu de Juiz de Fora com uma vitória importante sobre os donos da casa na noite de ontem (2). Os paranaenses fizeram 3×1 (25×20, 29×31, 25×21, 28×26) e se mantiveram na 9ª colocação, agora com oito pontos e duas vitórias. O Troféu Viva Vôlei ficou com o ponteiro Perón do Ponta Grossa.

Na 10ª rodada, o JF Vôlei vai ao Rio Grande do Sul enfrentar o Lebes/Canoas, na quinta-feira (7), às 19h30, com transmissão do Sportv. Enquanto o Ponta Grossa pega o Minas Tênis Clube no dia 13, em Belo Horizonte.

O jogo

O início da partida já foi marcado por um momento inusitado quando o placar marcava 7×8: um jacu entrou no ginásio e pousou nas placas de publicidade. Coube ao central do Ponta Grossa Caramuru, Thales, a retirar o animal da área de jogo para que a partida recomeçasse. Após abrir dois pontos (13×15), Caramuru manteve a vantagem apostando no saque forçado e incomodando os juiz-foranos no bloqueio. Com Leozão sobrando e acionado nos momentos certos pelo levantador Índio, os visitantes levaram a primeira parcial em 20×25.

No 2º set, o equilíbrio entre as duas equipes deu o ritmo da partida. Com a maioria dos passes fora da rede, o JF Vôlei foi fazendo o seu jogo pelas extremidades, dividindo a responsabilidade entre os ponteiros, Leozinho e Rammé, e o oposto Emerson. Do outro lado, Índio evitava sobrecarregar o oposto Leozão no início da parcial e contou com o bom aproveitamento dos demais atacantes no side-out. O JF Vôlei teve a chance de fechar o set em 25 pontos, porém o saque do central Maycon entrou e as duas equipes passaram a trocar pontos. Em dois erros de ataque de Caramuru, Juiz de Fora fez 31×29 e empatou a partida.

Ao contrário dos sets anteriores, Caramuru conseguiu abrir vantagem logo no início do 3º set (7×11). Enquanto o posicionamento defensivo de Caramuru proporcionava contra-ataques, Juiz de Fora ainda tinha dificuldades em achar Leozão no bloqueio. Cometendo muitos erros de saque e ataque, os donos da casa não conseguiram reverter o placar e foram superados por 21×25.

Precisando vencer o 4º set para levar a partida para o tie-break, o JF Vôlei começou a parcial mais ligado e incomodando a recepção de Caramuru (6×4). Voltando a marcar bem os ataques de Juiz de Fora, o Caramuru conseguiu encaixar os contra-ataques e reequilibrar a parcial (10×10). Com a boa distribuição de Índio, Ponta Grossa conseguiu manter a regularidade no ataque e vencer a parcial em 26×28, garantindo três pontos na classificação e a segunda vitória.

JF Vôlei
Felipe, Emerson, Bruno, Rômulo, Leozinho, Rammé. Líbero: Juan Mendez
Entraram: Raphael, Matheusão, Adami
Técnico: Henrique Furtado

Ponta Grossa Caramuru Vôlei
Índio, Leozão, Maycon, Thales, Leo, Perón. Líbero: Bruno
Entraram: Rubbo, Dutra, Da Silva.
Técnico: Fábio Sampaio

[Superliga] Enfim saindo do zero: JF Vôlei vence Maringá no tie-break

Antes mesmo de começar, a partida entre Copel Telecom Maringá Vôlei e JF Vôlei já era uma promessa de equilíbrio e importância. Acumulando derrotas na competição, as duas equipes entraram em quadra no ginásio Chico Neto com o mesmo objetivo: sair do zero. Após mais de 2h30 de duelo, o JF Vôlei saiu com a vitória por 2×3, parciais de 25×21, 20×25, 21×25, 33×31 e 21×23.

38562156271_5235207f57_b

Destaque na temporada, Leozinho marcou 38 pontos na vitória diante do Maringá. (Foto: Lucilia Bortone/Sacandoovolei – arquivo)

Com incríveis 38 pontos, o ponteiro Leozinho foi o grande destaque da partida. Eleito como melhor jogador na vitória do JF Vôlei, o jogador superou a própria marca de 32 pontos feitos na derrota para o Minas na 1ª rodada da competição.

Na próxima sexta-feira (1), o Maringá vai a Belo Horizonte enfrentar o Minas Tênis Clube, às 20h30. Enquanto o JF Vôlei recebe o Ponta Grossa Caramuru Vôlei no sábado (2), às 18h, no ginásio da UFJF.

O jogo

Com a tensão para buscar a primeira vitória na competição, as duas equipes começaram a partida segurando um pouco na potência dos ataques. Errando muitos saques, Juiz de Fora compensou as falhas nos ataques e contra-ataques pelas extremidades (12×12). Quando teve a oportunidade, Maringá assumiu a vantagem no placar com a boa atuação de oposto Alisson e do ponteiro Kaio (18×15). A variação de saques do Maringá foi minando a recepção de Juiz de Fora, dificultando a utilização dos centrais mineiros (23×19). Com folga no marcador, Maringá acabou com o ataque adversário no bloqueio e levou o 1º set em 25×21.

No 2º set, a diminuição nos erros de saque deu aos visitantes maiores possibilidades de recuperação e, ao contrário do set anterior, conseguiu segurar a vantagem aberta no placar (8×12). Mesmo com a melhora no passe, o levantador Felipe continuou acionando o ponteiro Leozinho e a equipe foi se aproveitando dos erros de Maringá em todos os fundamentos (18×22). Após a entrada de Adami e Raphael na inversão 5-1, Juiz de Fora venceu o set em 20×25.

Vencer o 3º set significava conquistar o primeiro ponto na competição, e a parcial começou equilibrada (7×7). Maringá continuou errando saques e tendo dificuldades na recepção, principalmente com o ponteiro Alê – alvo preferido dos visitantes durante toda a partida.

Renato Lúcio promoveu mudanças no Maringá, porém Juiz de Fora continuou com boa tática no saque, forçando Ricardinho a explorar os atacantes nas extremidades (10×12). Os donos da casa conseguiram manter a vantagem de dois pontos na passagem do oposto Emerson no saque e, com o bloqueio ajudando a defesa, Juiz de Fora aproveitou os contra-ataques para ampliar no marcador. No bloqueio de Emerson e Bruno em cima de Thiago Alves, o JF Vôlei fez 21×25 e 1×2 no jogo.

A maior estabilidade na recepção deu ao levantador Felipe a oportunidade de acionar os centrais Rômulo e Bruno, que já faziam bom trabalho no bloqueio (8×9). Após abrir dois pontos de vantagem, Juiz de Fora viu Maringá ressurgir no set com o líbero Gian defendendo bastante e com o restante da equipe mudando a tática no saque (20×20). No contra-ataque, os visitantes tiveram dois match-points, porém o bloqueio de Maringá fechou a porta (24×24). Depois de longa troca de pontos, Maringá levou o set em 33×31, garantindo também seu primeiro ponto na Superliga.

Se o 4º set terminou de maneira emocionante, a disputa no tie-break não foi diferente. Com as equipes se alternando no comando do placar, qualquer erro era perigoso (7×8). Assumindo a ponta no momento certo, Maringá teve a chance de matar a partida, mas Juiz de Fora conseguiu marcar bem o ataque do oposto Alisson Bastos (14×14). Assim como aconteceu no empate do set anterior, as duas equipes trocaram pontos e vantagens até que, em dois erros de ataque de Alê, Juiz de Fora venceu o tie-break em 21×23, conquistando sua primeira vitória na Superliga 2017/2018.

Copel Telecom Maringá Vôlei
Ricardinho, Alisson Bastos, Ialisson, Wennder Kaio, Alê. Líbero: Gian
Entraram: Jean Carlos, Brasília, Johan, Leitzke, Bruno, Thiago Alves
Técnico: Renato Lúcio

JF Vôlei
Felipe, Emerson, Bruno, Rômulo, Leozinho, Rammé. Líbero: Juan Mendez
Entraram: Raphael, Adami, Franco
Técnico: Henrique Furtado

Foto destaque: Rodrigo Araújo/Copel Telecom Maringá Vôlei
Foto interna: Lucilia Bortone/Sacandoovolei

[Superliga] Grande batalha de cinco sets e vitória corintiana sobre o Caramuru

No encerramento da 7ª rodada do turno da Superliga 2017/2018, o Ponta Grossa Caramuru Vôlei recebeu, no fim da noite de ontem (21), o Corinthians-Guarulhos num duelo que, apesar do placar no 1º set, foi bastante equilibrado. O Caramuru deu muito trabalho aos visitantes, principalmente no saque e no bloqueio, que tiveram que suara bastante para vencer por 3×2 (25×16, 21×25, 23×25, 30×28, 12×15).

Com eleição online, o Troféu Viva Vôlei ficou com o ponteiro Fábio que entrou durante a partida e ajudou os corintianos na recuperação após a derrota na primeira parcial.

No sábado (25), o Corinthians recebe o Sesi-SP, às 21h30, e o Caramuru pega o Lebes Canoas, às 20h, no Paraná.

O jogo
Embalados pela primeira vitória na competição, o Caramuru veio quente para o jogo e com a marcação de bloqueio afiada (7×2). Apostando no seu poder de saque, os donos da casa conseguiram imprimir um forte ritmo de jogo e desestabilizar a recepção dos visitantes. Vendo o set escapar, o treinador do Corinthians-Guarulhos, Alexandre Stanzioni, promoveu mudanças na equipe que sofria bastante para virar no side-out (17×8). Com o passe na mão, o levantador do Caramuru, Índio, conseguiu fazer boa distribuição de jogo, chamando o oposto Leozão e o ponteiro Perón nos momentos certos. Após a entrada de Fábio no lugar de Mineiro, o Corinthians conseguiu rodar algumas bolas, mas nada que ameaçasse a vitória de Caramuru que fechou em 25×16, em um ataque de Leozão na saída de rede.

23905243_1754199388216071_7721974322946491289_n

Torcida fez a diferença para o Caramuru (Foto: José Tramontin/Ponta Grossa Caramuru Vôlei)

No 2º set a história foi diferente. Os visitantes ajustaram o bloqueio e a recepção, ajudando na distribuição do levantador Rodrigo que pôde colocar os centrais no jogo, desafogando o oposto Rivaldo (4×7) e acionando também o ponteiro Fábio. Com o acúmulo de erros de saque e sem imprimir a mesma pressão do set anterior, o Caramuru caiu de rendimento e teve que apostar em seu volume de jogo para proporcionar contra-ataques. Apesar que reequilibrar o jogo, os donos da casa cometeram erros em momentos decisivos que deram ao Corinthians tranquilidade para fechar o set em 21×25 e empatar a partida.

Rallys e bloqueios marcaram o início do 3º set para ambos os lados (5×4). Apesar de continuar errando saques, o Caramuru conseguiu aproveitar os erros de ataque do Corinthians para encostar no marcador após os visitantes abrirem três pontos de vantagem (17×18). A recuperação do Caramuru colocou pressão nos corintianos (21×21), porém, em um erro da arbitragem – que marcou bola fora em um ace de Léo –, o Corinthians fechou o set em 23×25.

Contando com a boa atuação do ponteiro Fábio, o Corinthians começou muito bem no 4º set (8×12). Com o incentivo da torcida, o Caramuru foi crescendo na parcial e o saque voltou a entrar, principalmente na passagem do central Maycon no fundamento (18×16). Sentindo a pressão, os corintianos voltaram a cometer erros na recepção e no ataque. Após longa troca de pontos, o Caramuru fechou a parcial em 30×28 com dois erros seguidos do oposto Rivaldo.

No início do tie-break, o Caramuru mostrava ter controle da partida e voltou a ter consistência no saque (5×1). Após pedido de tempo de Stanzioni, os visitantes voltaram a pontuar nos erros do Caramuru e empataram a disputa (7×7). Na virada de lado, o Corinthians aproveitou o nervosismo dos donos da casa e, no momento decisivo, abriu dois pontos (12×14) e fechou o set em 12×15.

Ponta Grossa Caramuru Vôlei
Índio, Leozão, Thales, Maycon, Leo, Perón. Líbero: Bruno
Entraram: Antony, Rubbo, Dutra, Japa, Gustavo
Técnico: Fábio Sampaio

Corinthians-Guarulhos
Rodrigo, Rivaldo, Sidão, Luizinho, Mineiro, Ceará. Líbero: Felipe
Entraram: Matoso, Gabriel, Fábio
Técnico: Alexandre Stanzioni

Foto destaque: Thiago Paes/CBV

[Superliga] Sesc RJ confirma favoritismo e vence JF Vôlei fora de casa

Superliga 2017/2018 - JF Vôlei 0 x 3 Sesc-RJ - 19.11.2017

Destaque do JF Vôlei na temporada passada, Renan reencontrou a torcida local (Foto: Lucilia Bortone/Sacandoovolei)

O JF Vôlei recebeu o SESC RJ, neste domingo (19), em confronto válido pela 7ª rodada do turno da Superliga 2017/2018. Sem o seu principal jogador, Leozinho, que sentiu dores antes da partida, os donos da casa viram o time carioca – que é comandado pelo juiz-forano Giovane Gávio -, mesmo desfalcados do central Tiago Barth, e do ponteiro João Rafael, confirmarem o favoritismo e vencerem por 3 a 0 (25×17, 25×18 e 25×22).

O jogo também marcou o reencontro do oposto Renan com a torcida, já que o atleta foi o destaque do JF na última temporada. Japa, ponteiro do time carioca, que também já defendeu as cores de Juiz de Fora, foi eleito, por votação popular, o melhor jogador e levou o troféu Viva Vôlei.

Com o resultado, o SESC chegou aos 19 pontos, em terceiro lugar, com a mesma pontuação que o vice-líder. Os cariocas voltam à quadra na quinta-feira (23), às 19h, contra o Minas, em Belo Horizonte. Já o JF Vôlei segue sem pontuar em penúltimo lugar. No domingo (26), às 21h, os mineiros vão enfrentar o Maringá, último colocado.

O jogo

O início foi equilibrado (3×3), com os atacantes do time visitante com alto rendimento, o Sesc abriu três pontos (6×9). O JF reagiu e chegou a empatar a parcial(12×12), mas viram o adversário voltar a se impor e comandar o placar com certa margem(14×18). O levantador Thiaguinho seguiu distribuindo muito bem as jogadas, e o eficiente ataque carioca, com destaque para Japa e Renan, seguiu fazendo estrago no lado adversário(15×20). Após ataque indefensável de Maurício Borges, o time carioca fechou o set (17×25).

DSC08752.jpgAssim como no primeiro set, as equipes começaram trocando pontos (6×6) e os comandados de Giovane Gávio abriram pontos, mas viram Juiz de Fora, com pontos consecutivos do central Rômulo, diminuírem a desvantagem (10×11). O passe carioca se manteve regular, o que facilitava a armação das jogadas pelos levantadores, tanto com Thiaguinho quanto com Everaldo, que entrou no decorrer do set (12×19). Juiz de Fora modificou o oposto e o levantador, mas seguiu com dificuldades no ataque (13×21). O time da casa diminuiu os erros no final do set, mas não dava tempo para reagir no set (18×25).

O JF Vôlei voltou à quadra melhor e abriu (3×0).  Vendo o adversário jogar melhor, Giovane parou a partida (6×2). O set seguiu com os donos da casa comandando o marcador (15×10), enquanto os visitantes erravam mais do que o normal (17×11).  O Sesc sofreu algumas mudanças na equipe, mas o jogo parecia não se encaixar no set (20×13).

Quando parecia que Juiz de Fora iria levar o set, o time do Rio de Janeiro cresceu, Maurício Borges, Japa e Renan chamaram a responsabilidade de virar às bolas e ainda viram a ansiedade da jovem equipe mineira para fechar o set se transformam em erros consecutivos. O resultado foi sete pontos seguidos para o RJ que empataram a parcial (20×20). A sequência desestabilizou o adversário, que não soube voltar a jogar bem no set. Após mais uma falha do JF, os visitantes definiram por (22×25) e o jogo por 3 a 0.

Fotos: Lucilia Bortone/Sacandoovolei