JOGOS OLÍMPICOS: Seleção brasileira é vice-campeã de Londres 2012

Por Luara Herédia

12/08/2012 – O  sonho do tri olímpico  foi adiado. Depois da seleção brasileira ter vencido  dois sets e ter dado um passo importante para a medalha de ouro ninguém contava que no terceiro set fosse brilhar a estrela do técnico russo Vladimir Alekno que promoveu uma mudança no se esquema tático que foi crucial para a vitória quase inexplicável  do time russo. O central Dimitri Muserskyde 2,18m foi jogar de oposto, eficiente o jogador marcou 31 pontos e foi o destaque absoluto da vitória russa de virada por 3 sets a 2. Parciais de 25 x 19, 25 x 20 ,27 x 29 , 21 x 25 e 9 x 15

     

O JOGO:

A seleção brasileira já começou ligado e  pontuando com Murilo atrás da linha dos três. Ligada na defesa, a seleção pontuava no contra ataque e com isso abriu vantagem logo no início do jogo:  5-2, o que provocou uma mudança de levantador no time russo. Na primeira parada técnica o placar era de 8 a 5 para o Brasil. Jogando solta a equipe brasileira logo impôs seu ritmo na partida. Já a Rússia sentiu a pressão e errava muito. Em um ataque do levantador Bruno  a seleção foi para o segundo tempo técnico com 16 a 11 no placar. Com ace de Lucão e um bloqueio de Murilo, o Brasil ampliava sua vantagem: 20 a 13. Com uma boa margem a equipe brasileira fechou o set: 25 x 19.

No segundo set a Rússia já entrou mais agressiva e abriu dois  pontos no placar. Mas mantendo a concentração e com bons  saques a seleção brasileira logo retomou a frente do placar: 5 -3. Com um ace de Wallace o Brasil foi para a parada técnica com 8-4 no marcador. Bruno muito regular na partida distribuiu  o jogo muito bem, o que facilitou o Brasil abrir vantagem:16 a 12. Na volta da parada técnica a Rússia voltou melhor, a Rússia até buscou uma reação e encostou no jogo: 16 a 15. Porém, com um ataque de Wallace e o bloqueio brasileiro funcionando a seleção novamente abriu vantagem: 19 a 15.  Com tranquilidade e eficiência a seleção fechou mais um set: 25 -20, abrindo 2 sets a 0.

No terceiro set  o técnico russo promoveu  uma mudança que deu certo. Tirou o central  Muserskiy de 2,18m e o colocou para jogar como oposto. E o jogador se adaptou muito bem a função. No primeiro tempo técnico a Rússia tinha vantagem: 8- 7. Para a Rússia era tudo ou nada mas a equipe brasileira não estava disposta a facilitar o jogo para a equipe russa. Controlando a ansiedade a equipe brasileira retomou o placar: 16 a 15. Na volta da parada técnica  a seleção brasileira voltou mais ligada e abriu vantagem :18 a 15. No fim do set, com a  ansiedade normal de terminar uma partida a seleção parou de pontuar e a Rússia empatou o jogo: 22 a 22. O técnico brasileiro parou a partida para tentar acalmar a seleção.  Os times trocavam pontos. O Brasil chegou a ter  2 match points mas não conseguiu fechar o set (jogo)o que resultou em set point para a Rússia que aproveitou a chance e fechou o terceiro set: 29 a 27.

No quarto set, Dante sentiu o joelho, Giba veio para o set como titular. Com um início tenso as equipes trocavam pontos. No primeiro tempo técnico vantagem mínima para a Rússia: 8-7.O bloqueio russo começou a funcionar, além de contar com os ataques eficientes de Muserskiy. Já pelo lado brasileiro a seleção parou de pontuar nos contra ataques e a recepção caiu. Na segunda parada técnica a Rússia tinha 16 a 12 no placar. Bernardinho tirou Giba e colocou Thiago Alves. Ricardinho e Rodrigão também vieram para o jogo no lugar de Bruno e Wallace. Jogando solta e empurrando a pressão para o Brasil a Rússia venceu o quarto set por 25 a 21 e empatou a partida em 2 sets a 2.

No tie- break a Rússia aproveitou o melhor momento na partida e logo abriu vantagem 3 x 1,essa vantagem russa só se estendeu, na virada de quadra o placar era 8 a 4. A seleção brasileira já não era a mesma, assustada com os ataques russos não conseguia pontuar no bloqueio e nem pontuar em contra ataques. Do outro lado Muserskiy continuava pontuando. O Brasil continuava sem conseguir parar o gigante,com isso  a Rússia fechou o set por 15 x 9 e levou o título olímpico inédito com uma virada espetacular.

“ELIMINAÇÃO PRECOCE”…

Depois de uma estreia para se esquecer, a seleção brasileira de volei entrou em quadra contra a Polônia pela segunda rodada da Fase Final da Liga Mundial com a responsabilidade de vencer seu maior “carrasco”  entre as últimas partidas, a Polônia, para se manter na Liga Mundial 2012. Porém, novamente  a equipe  comandada pelo técnico italiano Andrea Anastasi foi superior, jogou melhor nas horas decisivas e eliminou o Brasil no tie- break. Parciais de 25 x 23, 23 x 25, 25 x 23, 17 x 25 e 10 x 15.

Com os ponteiros brasileiros fora de suas condições físicas ideias( Murilo sofre de uma tendinite no ombro, Dante sofre desde a final da última temporada com uma lesão do joelho, Giba passou por uma cirurgia e volta aos poucos), a seleção brasileira até que tentou , mas a  Polônia do ponteiro Bartosz Kurek e do oposto Bartman voltou a vencer a seleção nessa Liga Mundial( foram 5 confrontos e 4 vitórias polonesas) e dessa vez eliminou a equipe brasileira da competição., acabando assim com a possibilidade do deca( dez títulos).

É   a segunda vez que o brasil fica fora do pódio em uma competição na “Era Bernardinho”. A primeira tinha sido também em um ano olímpico, na Liga Mundial ,em 2008, disputada o no Ginásio do Maracãnazinho, Rio de Janeiro.

O central Lucão comentou sobre a eliminação:

 “A equipe mostrou uma evolução boa, de determinação e de voleibol, mas sofremos muito com as lesões. Murilo, Dante, Giba, Vissotto, todos voltando de um tempo sem jogar. Agora precisamos trabalhar ainda mais. Temos três semanas para pensar somente nos Jogos Olímpicos. Temos que treinar, botar a cabeça no lugar e que tudo isso sirva de aprendizado para mostrar que o que estamos fazendo não é o suficiente”.

A seleção agora volta para o Brasil e  ficará treinando no Centro de Treinamento em Saquarema com foco nos Jogos Olímpicos de Londres. A seleção está no Grupo B, considerado o “grupo da morte” ao lado de EUA, Rússia, Alemanha, Sérvia e Tunísia.

 

 

NÃO ESTAVA NOS PLANOS…

 

A seleção brasileira entrou em quadra sabendo das as principais características do time cubano : o vigor físico e o saque forte, no primeiro set a tática brasileira até funcionou bem, porém, Cuba cresceu muito no jogo e venceu a partida por 3 sets a 2 (17X 25, 25X 22, 25 X 22, 20 X 25 e 15 X 12),  segunda derrota do Brasil na competição.

1º set:

      O Brasil começou de forma arrasadora, quando o placar marcava 4 a 2 , a seleção já tinha  marcado  1 ponto de ataque,2 de bloqueios e 1 de saque.

Com o oposto Hernandez e o ponteiro passador Leon jogando abaixo do que sabem a vantagem brasileira foi se estendendo, na segunda parada técnica obrigatória o placar marcava 16 X 9. No final do set Cuba marcou 4 pontos seguidos, mas a folga no placar a favor do Brasil era extensa e não deu para Cuba reagir: 25 X 17. A seleção marcou 8 pontos de bloqueio e Giba foi o maior pontuador do set.

2º set:

     O saque cubano começou a entrar com Hernandez, do lado brasileiro o capitão Giba continuava sendo o destaque. Com um bloqueio, a seleção caribenha chegou na frente do placar, 8 X 6.

Murilo, discreto no ataque era fundamental na recepção e principalmente no saque, assim a seleção virou o jogo: 11 X 9, mas com um erro brasileiro de saque e um ace de Hernandez, Cuba igualou o placar e na seqüência com um saque e um bloqueio chegaram a abrir 2 pontos.

A seleção jogava bem, após belas defesas e um saque forçado de Murilo  ficaram na frente do placar,20 X 19. Cuba pontuava no contra- ataque e contando com ótimos ataques do canhoto Hernandez, Cuba fechou o set: 25 X 22.

     3º set:

     A vitória no segundo set deu moral a  seleção cubana, no primeiro tempo técnico a vantagem era de 5 pontos : 8 x 3. Bernardinho promoveu a inversão do 5:1 , mas optou por colocar Wallace no lugar do Théo, saíram Marlon e Vissotto.

Wallace marcou 2 pontos importantes, no outro lado da rede Leon, (ponteiro passador de 18 anos e titular da seleção desde os 14) crescia no jogo 10 X 6 para Cuba no marcador.

A seleção buscava o marcador, após uma recuperação de bola sensacional de Giba o Brasil encostou no placar, 12 X 10, obrigando o técnico Orlando Samuels a parar o jogo. A parada fez bem ao time cubano, marcando 3 pontos seguidos abriram 15 X 10.

O Brasil até empatou o marcador, mas não conseguia passar na frente, Leon e Hernandez fizeram a diferença, 20 X 17. Após erro de saque de Vissotto, 25 X 22 Cuba.

4º set:

Atrás do placar , só restava ao Brasil vencer e provocar o tiebreak, Bruninho e Wallace começaram como titular.   Com dois  aces de Giba, 6 X 4 no placar a favor do Brasil.

Na segunda parada técnica a folga no marcador era de 5 pontos: 16 X 11. Administrando a folga no placar, a seleção fechou o set por 25 X 20

5 ºset:

No set de desempate Cuba liderou na maior parte,  abriram 3 pontos  7 X 4, mas após a troca de lado obrigatória o Brasil emaptou o jogo, 8 X 8 mas nao conseguia ficar a frente no marcador. Cuba voltou a abrir 2 pontos, Leon foi o grande destaque do set. A seleção não consgeuiu reagir e Cuba fechou o set por 15 X 12 e o jogo por 3 sets a 2.

 

Foi a segunda derrota brasileira na Copa do Mundo de Volei, mas o Brasil ainda sonha com o titulo pois ainda tem um confronto direto com a líder Polônia( jogo acontece na madrugada de sexta para sábado).