[Liga Mundial] Ngapeth comanda a França e adia o sonho do deca mais uma vez

Mais de 23 mil pessoas compareceram na Arena da Baixada, em Curitiba(PR), para torcer para o Brasil na final da Liga Mundial, em um partida que começou 23h de um sábado e se estendeu pela madrugada fria da capital paranaense. Se o começo foi bem animador para os brasileiros, a França, comandada por Earvin Ngapeth, tratou de acabar com o sonho do décimo título da competição dos brasileiros. Vitória de virada dos europeus por 3 sets a 2, parciais de (21×25, 25×15, 25×23, 19×25 e 15×13) e o bicampeonato para os franceses, que haviam conquistado o primeiro título em 2015, também no Brasil, só que em partida disputada no Ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro.

A partida foi marcada por duas atuações brilhantes e disputa individual: o oposto Wallace e o ponteiro Ngapeth , principais atacantes de suas seleções, tiveram um aproveitamento de ataque acima da média. Com 28 pontos,  Ngapeth foi o grande protagonista, com um arsenal de belas jogadas, uma defesa que o jogador fez no tie-break merece ser destacada. Earvin foi eleito o MVP da competição.

Com nove títulos e maior vencedor, o Brasil não consegue o título desde 2010. Além disso, a equipe do técnico Renan Dal Zotto não conseguiu quebrar mais um tabu: conquistar essa competição em solo brasileiro. Desde 1993 [última vez em que o Brasil conquistou a Liga Mundial em casa, foram 3 tentativas e em nenhuma o Brasil saiu vitorioso.

O jogo

As equipes começaram a final da Liga Mundial demonstrando muito ritmo de jogo. De um lado, destaque para o setor defensivo e para os ataques de Ngapeth e Boyer, do outro, o bloqueio brasileiro teve seu melhor início [foram 3 pontos diretos nesse fundamento], além de Lucarelli e Wallace inspirados, levantando vantagem em relação a defesa adversária. O saque balanceado de Maurício Souza dificultou a recepção francesa e ajudou o time da casa a abrir vantagem (17×14).  Com muito ímpeto, o Brasil não deixava a França reagir, a recepção brasileira foi outro fundamento que funcionou muito bem e Bruno retribuía utilizando as bolas com seus centrais. Após 27 minutos, em ataque indefensável, Maurício Souza definiu o set (25×21) para os donos da casa.

Diferente do set anterior, os brasileiros começaram mal e viram uma França com outra postura em quadra, abrindo rapidamente uma ótima vantagem (3X8). O ataque do Brasil caiu de rendimento e o time foi acumulando erros, o que causou a inversão de 5-1, com Renan Buiatti e Rapha entrando nos lugares de Bruninho e Wallace. A equipe francesa passou a sacar cada vez melhor e o bloqueio, que não havia marcado no set anterior, foi

n

Ngapeth fez 28 pontos e foi o protagonista da final. [Foto: FIVB]

responsável por seis pontos na segunda parcial e foi um dos fundamentos determinantes para os franceses construírem uma margem cada vez maior e definirem o set com incríveis dez pontos de vantagem (15×25), em 21 minutos.

A França voltou à quadra com a mesma intensidade que definiu o segundo set (5×10). Já o Brasil demonstrava apatia, vibrando pouco, tomando decisões precipitadas e observando o adversário jogar (12×16). Se o levantamento brasileiro estava impreciso, Toniutti recebia a bola na mão e aciona, sobretudo, o eficiente e genial Ngapeth. Outro ponto de destaque do time europeu era o líbero Grebennikov, que protagonizou defesas que pareciam impossíveis.  A equipe visitante chegou na reta final do set com três pontos de vantagem (15×18), porém, um desafio a favor dos brasileiros recolocou a seleção sul-americana no set (20×20), restabelecendo um equilíbrio e aumentando a tensão na final.  Porém, Le Roux, em bloqueio em cima de Wallace, deu números finais ao set (23×25), virando a partida para os franceses.

Precisando vencer para continuar com esperanças de conquistar o título, os brasileiros ditaram o início da parcial. Com ótima sequência de saques de Lucarelli, o time nove vezes campeão da Liga Mundial chegou a ter o dobro de pontos do adversário (10×5). Éder, que havia entrado no set anterior, colocou o Brasil com três pontos de vantagem na segunda parada técnica obrigatória (16×13). O levantamento nas pontas do Bruno, que não estava com precisão, melhorou e os ponteiros cresceram o aproveitamento de ataque (22×18).  Jogando mais alegre e empurrados pelos torcedores, a seleção da casa fechou e levou a decisão para o set decisivo.

Embalados com a vitória no set anterior, os brasileiros começaram à frente, após dois ataques de Lucarelli e se manteve à frente até a troca de lado (8×6). Na sequência, os franceses entram no set, buscaram a parcial e viraram. Novamente o saque francês fez a diferença e o central Le Roux conseguiu uma ótima sequência, levando seu time ao match point. Após 19 minutos, Clevernout colocou a bola no lado brasileiro e deu o bicampeonato para a França.   Mais cedo o Canadá bateu os Estados Unidos e conquistaram o inédito terceiro lugar.

Equipes:

Brasil: Bruno, Wallace, Lucarelli, Maurício Borges, Maurício Souza, Lucão. Líbero: Thales

Entraram:  Renan Buiatti, Rapha. Éder, Tiago Brendle

Técnico: Renan Dal Zotto

França: Toniutti, Ngapeth, Le Roux, Boyer, Clevernot, Chinenyeze. Líbero:Grebennikov

Entraram:  Brizard, Rossard, Lyneel

Técnico:  Tillie Laurent

 

 

[Fotos: FIVB]

[Liga Mundial] Brasil vence Estados Unidos e está na primeira final com Renan no comando

 A seleção brasileira comandada pelo técnico Renan Dal Zotto, que disputa sua primeira competição no comando da equipe, carimbou sua vaga na final da Liga Mundial. Nesta sexta-feira (7) o Brasil fez seu melhor jogo nesta Fase Final e passou pelos Estados Unidos por 3 sets a 1 (25×20, 23×25, 25×20 e 25×19), na primeira partida de semifinal.

A partida teve uma disputa para maior pontuador do confronto entre o ponteiro Sander, dos EUA, e o oposto Wallace, do Brasil. O jogador norte-americano levou a melhor com 20 pontos, seguido de perto pelo atacante brasileiro que marcou 18 vezes.

Com nove títulos, o Brasil é o maior vencedor, mas busca quebrar um jejum de títulos da Liga que não vem desde 2010. Além disso, os brasileiros têm outro tabu pela frente: conquistar o título em casa, feito que bateu na trave em 2002, em Belo Horizonte, e em 2015, no Rio de Janeiro. O adversário na final sairá do confronto entre França e Canadá. O jogo será no sábado(8), às 23h, com transmissão do Sportv e da Globo.

O jogo

Os anfitriões iniciaram ditando o ritmo da partida e aproveitando contra-ataques (5×1). Porém, a defesa dos Estados Unidos se ajustou e eles diminuíram a desvantagem para apenas um ponto (6×5). Se o Brasil teve um bom início, não se pode falar o mesmo do adversário, foram 10 erros ao longo do set, contra apenas três dos brasileiros. A vantagem dava uma confiança maior para os dos sul-americanos no saque (15×12), além dos bons ataques de Wallace e Lucarelli, que ao lado do ponteiro Sander, foram os maiores pontuadores da parcial com quatro acertos. Após 27 minutos, o Brasil fechou (25×19), depois do erro de saque do levantador Christenson.

Assim como aconteceu no set anterior, o Brasil começou agressivo (5×2). Porém, o sistema bloqueio e defesa dos EUA começou a fazer a diferença e eles viraram a parcial (9×13). Com Bruno utilizando mias os centrais, sobretudo o seu entrosamento com Lucão, o time reagiu e deixou tudo igual (13×13).  Demonstrando mais agressividade, os visitantes voltaram a se impor e abriram uma folga importante (19×22), mas, rapidamente, viram um Brasil reagir e, no contra-ataque, viram a bola resvalar na fita e cair do lado adversário para deixar tudo igual (23×23). Mas, melhor durante maior parte do set, o time do técnico Speraw fechou a parcial (23×25) em 31 minutos.

sander

Com 20 pontos(18 de ataque e 2 de saque), o ponteiro Sander foi o maior pontuador da partida. Foto:FIVB

Com o sistema de bloqueio melhor, pontuando ou amortecendo o ataque do adversário, os brasileiros abriram o dobro de pontos do adversário (12×6).  Com o Brasil dominando, o técnico dos Estados Unidos fez uma mudança colocando Jaeschke para atuar como um falso oposto. Do outro lado, Bruno seguia distribuindo muito bem a bola entre Lucarelli e Wallace, que respondiam colocando a bola no chão na quadra adversária (20 x16). Muito jovens, mas com a tática e técnica bastante conhecida dos norte-americanos, o time diminuiu perigosamente a vantagem brasileira (20×18). A equipe comandada pelo técnico Renan voltou a jogar melhor, utilizaram o apoio das arquibancadas e fecharam a terceira parcial (25×20), em 28 minutos.

O início do quarto set foi o mais equilibrado, com as equipes se revezando à frente do placar. Os Estados Unidos chegaram ao primeiro tempo técnico em vantagem, mas três erros de ataque seguidos dos americanos recolocaram os brasileiros no comando (11×8). A seleção brasileira voltou a utilizar um saque mais tático, jogou uma pressão maior no adversário que sentiu e voltou a cometer erros excessivos,  o levantador Bruno protagonizou jogadas espetaculares  e o Brasil foi se encaminhando para fechar o set e o jogo.  Com a equipe jogando de forma muito consistente, os brasileiros fecharam em (25×19) e o jogo por 3 sets a 1.

 

Foto de Capa via Confederação Brasileira de Vôlei(CBV)

[Liga Mundial] Brasil encerra fase de classificação com vitória sobre a Sérvia, mas ainda não convence

Já classificados para a Fase Final da Liga Mundial, Brasil e Sérvia fizeram, neste domingo (18), em Córdoba (Argentina), um jogo bem morno, muito diferente dos últimos confrontos entre as duas seleções.  Com uma atuação mais regular, mas ainda bem distante das melhores apresentações, novamente com muitas oscilações, a seleção de Renan dal Zotto saiu com uma vitória por 3 sets a 1, parciais de (25×22, 25 x 16, 17×25  e 25×23).

Com atacantes que são referências no voleibol mundial, cada uma das equipes marcaram 47 pontos de ataque na partida. A Sérvia se sobressaiu no bloqueio, foram 14 contra 8, fundamento em que o Brasil vem tendo uma atuação bem abaixo.  Já os brasileiros levaram vantagem no saque: 10 pontos diretos nesse fundamento, contra apenas cinco dos sérvios. 

Wallace, com 19 pontos, foi  o maior pontuador, seguido de perto pelo ponteiro sérvio

duringthematchbytheFIVBWORLDLEAGUE2017atOrfeoSuperdomoStadiuminCordobaArgentinaSundayJune18

Wallace foi o maior pontuador da partida com 19 pontos, sendo 17 de ataque, um de bloqueio e um de saque. (Foto: FIVB)

Marko Ivovic, que será companheiro do oposto brasileiro na equipe de Taubaté(SP), responsável por 18 acertos no jogo. 

Com o encerramento do terceiro e último final de semana de competições da primeira fase, o Brasil terminou com seis vitórias, três derrotas, 19 pontos e em segundo lugar na classificação geral, atrás somente da França.

O Brasil agora retorna ao Centro de Treinamentos em Saquarema(RJ), para se  preparar para a disputa da Fase Final da competição, que será disputada em Curitiba(PR), entre os dias 04 a 08 de julho. Além dos anfitriões, França, Sérvia, Canadá e Rússia já estão classificados; a última vaga ficará com Estados Unidos ou Bulgária.

O JOGO

Os atuais campeões olímpicos começaram melhor (6×3). Porém, com dois bloqueios e um ponto de saque de Podrascanin, os sérvios deixaram tudo igual.  O ataque do Brasil estava afiado, foram 16 pontos, com destaque para o central Lucão, que pontuou cinco vezes nesse fundamento (16×12). Mesmo à frente do marcador, os jogadores brasileiros demonstravam uma certa apatia em quadra e foram cobrados pelo levantador Bruno e o técnico Renan. Após contra-ataque de Wallace, a primeira parcial foi definida: 25 x22, em 26 minutos.

2º set

A equipe brasileira voltou com uma nova postura e viram o adversário cair de rendimento, além de demonstrarem pouco poder de reação. Logo no início, o Brasil já dominava a parcial, após bloqueio de Bruno, os brasileiros tinham o dobro de pontos da Sérvia (10×5). O ataque continuou funcionando muito bem e o bloqueio foi outro fundamento que demonstrou uma melhora nesse set, foram quatro pontos, mesmo número que os sérvios marcaram. Com uma excelente vantagem (18×7), os brasileiros se encaminharam para fechar o set com muita tranquilidade (25×16), em 24 minutos.

3º set

Se o Brasil dominou o set anterior, o terceiro foi todo da seleção europeia. O ponteiro Ivovic, novo jogador do Funvic/Taubaté, foi o principal atacante no set e um dos responsáveis pela Sérvia ficar à frente durante toda a parcial (10×15). O ataque sérvio teve um ótimo aproveitamento, foram 17 pontos, enquanto os brasileiros marcaram apenas oito. O técnico Renan fez a inversão de 5-1, tentando modificar sua equipe e reagir, mas não foi o suficiente. O adversário se impôs e venceu por 25×17, em 25 minutos.

4º set

Foi o início mais equilibrado da partida (4×4). Os times iam se revezando na liderança do marcador e ninguém conseguia se desgarrar. Na volta do tempo técnico, Maurício Souza conseguiu um ponto direto de saque e os brasileiros abriram vantagem mínima (17×15). A Sérvia foi buscar a desvantagem e deixou tudo igual (20×20), porém, Bruno voltou a comandar o time brasileiro e, no bloqueio simples, recolocou a equipe sul-americana à frente do placar (22×20). O oposto Wallace chamou a responsabilidade do para si e, com um ace e um ataque indefensável, deu números finais ao set (25×23), em 30 minutos, e ao jogo: 3 sets a 1.

EQUIPES:

Brasil: Bruno, Lucarelli, Lucas, Wallace, Maurício Borges e Maurício Souza. Líbero: Thales

Entraram: Tiago Brendle, Renan, Evandro e Rapha

Técnico: Renan dal Zotto

Sérvia: Jovovic, Ivovic, Lisinac, Luburic, Kovacevic e Podrascanin. Líbero: Majstorovic

Entraram: Kátic, Kujundzic, Buculjevic e Blagojevic

Técnico: Nikola Grbic

 

[Foto: FIVB]